Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

A Nova Flauta 23 de agosto de 2011

 

Gostei desde sempre do texto reproduzido a seguir. Considerando o tema central (ensinar e aprender) esse gostar é facilmente explicado. Esse é o tema que mais interessa a todo educador. Considerada a forma de aprender e ensinar mostrada no texto, esse gostar é menos explicável. Por que essa forma de ensinar me agrada? Por que essa forma de aprender me parece razoável?

 

Um deus pode fazê-lo. Mas como um homem pode penetrar as cordas da lira?(RILKE)

Uma nova flauta foi inventada na China. Descobrindo a sutil beleza de sua sonoridade, um professor de música japonês levou-a para o seu país, onde dava concertos por toda parte. Uma noite, tocou com uma comunidade de músicos e amantes da música que viviam numa certa cidade. No final do concerto, seu nome foi anunciado. Ele pegou a nova flauta e tocou uma peça. Quando terminou, fez-se silêncio na sala por um longo momento. Então, a voz do homem mais velho da comunidade se fez ouvir do fundo da sala: “Como um deus!”

No dia seguinte, quando o mestre se preparava para partir, os músicos o procuraram e lhe perguntaram quanto tempo um músico habilidoso levaria para aprender a tocar a nova flauta. “Anos”, ele respondeu. Eles lhe perguntaram se aceitaria um aluno, ele concordou. Depois que o mestre partiu, os homens se reuniram e decidiram enviar-lhe um jovem e talentoso flautista, um rapaz sensível à beleza, dedicado e digno de confiança. Deram-lhe dinheiro para custear suas despesas e as lições de música, e o enviaram à capital, onde o mestre vivia.

O aluno chegou e foi aceito pelo professor, que lhe ensinou uma única e simples melodia. No início, recebeu uma instrução sistemática, mas logo dominava todos os problemas técnicos. Agora, chegava para a sua aula diária, sentava-se e tocava a sua melodia – e tudo o que o professor lhe dizia era: “Falta alguma coisa”. O aluno se esforçava o mais que podia, praticava horas a fio, dia após dia, semana após semana, e tudo o que o mestre dizia era: “Falta alguma coisa”. Implorava ao mestre que escolhesse outra música, mas a resposta era sempre “não”. Durante meses e meses, todos os dias ele tocava e ouvia “Falta alguma coisa”. A esperança de sucesso e o medo do fracasso foram se tornando cada vez maiores, e o aluno oscilava entre a agitação e o desânimo.

Finalmente, a frustração o venceu. Ele fez as malas e partiu furtivamente. Continuou a viver na capital por mais algum tempo, até que seu dinheiro acabou. Passou a beber. Finalmente, empobrecido, voltou à sua província natal. Com vergonha de mostrar-se a seus antigos colegas, foi viver numa cabana fora da cidade. Ainda mantinha sua flauta, ainda tocava, mas já não encontrava nenhuma nova inspiração na música. Camponeses que por ali passavam ouviam-no tocar e enviavam-lhe seus filhos para que ele lhes desse lições de música. E assim ele viveu durante anos.

Uma manhã, bateram à sua porta. Era o mais antigo mestre da cidade, acompanhado de seu mais jovem aluno. Eles lhe contaram que naquela noite haveria um concerto e que todos haviam decidido que não tocariam sem ele. Depois de muito esforço para vencer seu medo e sua vergonha, conseguiram convencê-lo, e foi quase num transe que ele pegou uma flauta e os acompanhou. O concerto começou. Enquanto esperava atrás do palco, no final do concerto, seu nome foi anunciado. Ele subiu ao palco com fúria. Olhou para as mãos e percebeu que havia escolhido a nova flauta.

Agora ele sabia que não tinha nada a ganhar e nada a perder. Sentou-se e tocou a mesma melodia que tinha tocado tantas vezes para o mestre no passado. Quando terminou, fez-se silêncio por um longo momento. Então, a voz do homem mais velho se fez ouvir, soando suavemente do fundo da sala: “Como um deus[1]!”


[1]Nachmanovitch, Stephen. Ser Criativo. São Paulo, Summus Editorial, pág. 13 à 15.

Anúncios
 

Ao mestre com carinho 15 de outubro de 2010

Filed under: Eventos,Sem Categoria — José Antonio Küller @ 3:53 pm
Tags: , , , , , ,

 

Em homenagem ao dia do professor:

 

 

Aprender a aprender 30 de junho de 2009

Com o vídeo Aprendre a Aprendre, iniciamos uma nova categoria no blog: Educação Em Vídeo.


Sobre o vídeo, como um comentário breve, é importante destacar as características indispensáveis à incorporação dos esquemas operatórios do aprender com autonomia, que estão presentes na primeira fase do vídeo:

  1. o despertar do interesse pela aprendizagem;
  2. o lançamento, pelo mestre,  de um desafio (problema, projeto) passível de ser superado pelo aprendiz (o vaso de cerâmica);
  3. a indicação do resultado esperado (o vaso) e não do processo de obtenção dele;
  4. a indução, pelo mestre, da repetição do processo de fazer – refletir –  refazer;
  5. o mestre espera, com paciência e a distância que o aprendiz supere o desafio;
  6. a valorização do resultado obtido (o abraço).

Já na segunda parte do vídeo, o processo educativo tem caracaterísticas diferentes.


Utilizando essa diferença entre as duas partes do vídeo, em capacitação de educadores, sugere-se a seguinte forma de explorar o recurso:


 

1. Solicitar que os professores em capacitação relacionem as características do aprender a aprender presentes na primeira etapa do vídeo, como fizemos acima.


 

2. Depois, perguntar pela diferença entre os dois momentos educativos (confecção do vaso e a sequência posterior);


 

3. Lançar a pergunta: a segunda parte do vídeo pode ser considerada uma forma de facilitar o aprender a aprender, como foi a primeira?


 

4. Debater;


 

5 Concluir.

 

 
%d blogueiros gostam disto: