Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

LETRAMENTO DIGITAL 6 de fevereiro de 2012

A Germinal Consultoria desenvolveu, em parceria com o Senac Rio, um projeto destinado à inclusão digital de pessoas com dificuldades de leitura e escrita, objetivando, ao mesmo tempo, ampliar as competências de ler e escrever dessas pessoas com o uso do computador.

A população alvo do Projeto é a que está incluída no nível mais elementar de alfabetismo (nível 1), do Índice Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF), criado pela Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro (IBOP). “O nível 1 de alfabetismo corresponde à capacidade de localizar informações explícitas em textos muito curtos, cuja configuração auxilia o reconhecimento do conteúdo solicitado.[1]”.

Ilustração de Mariana Massarani

Livro Navegar é Preciso

A inclusão digital da população com dificuldade de leitura e escrita é um desafio metodológico. Em geral, as propostas de inclusão digital utilizam métodos que pressupõe o ler e escrever com um mínimo de desenvoltura. Assim, a população alvo do Projeto se defronta, no interior das propostas usuais de inclusão digital, uma forma sutil de exclusão: a didática. O seu fracasso no domínio da tecnologia deriva da proposta pedagógica dos programas de iniciação à informática, centrada na leitura e na escrita, e não de sua incapacidade de dominar os comandos que lhe dariam acesso aos recursos e benefícios da nova tecnologia.

O primeiro levantamento do INAF, em 2001, indicou que, na população brasileira, cerca de 70% dos que estão incluído no nível 1 da alfabetismo tem entre um e quatro anos de escolaridade. A inclusão digital da população com escolaridade entre um e quatro anos e o desenvolvimento da capacidade de ler e escrever dessa população são os objetivos centrais do Projeto Letramento Digital. O projeto se justifica pela ausência de qualquer outro programa de inclusão digital especificamente destinado a esta população. Uma população que é constituída por cerca de quarenta milhões de brasileiros. Destes, segundo o INAF, em 2004, apenas 4% usavam de alguma forma o computador

No desenho metodológico do projeto Letramento Digital buscou-se superar a dificuldade de leitura e escrita e transformá-la de empecilho em objeto de desenvolvimento educacional. Procurou-se favorecer uma aproximação à informática em que a leitura e a escrita fluentes não fossem requisitos, mas competências a serem desenvolvidas simultânea e sinergicamente ao domínio das competências de navegação e operação de aplicativos.

Procurou-se, além disso, que o interesse no domínio da informática fosse instrumento de uma nova aproximação da leitura e da escrita, que facilitasse a superação da sensação de incompetência e de traumas derivados de mal sucedidas experiências escolares anteriores. O objetivo de recuperar a auto-estima e a vontade de voltar a estudar dos participantes esteve presente desde as formulações iniciais do projeto.

Para ao atendimento simultâneo dos objetivos de inclusão digital, desenvolvimento das competências de ler e escrever e de retorno aos estudos, foi necessário um desenho metodológico inovador e o desenvolvimento de recursos didáticos de suporte, adaptados à metodologia e à diversidade dos objetivos em jogo.

Foi criado um Software específico para possibilitar que todas as atividades didáticas fossem desenvolvidas e controladas com o uso do computador, considerado como o recurso didático fundamental. Além do controle do ambiente de informática, o software inclui um Livro Eletrônico de Leitura, contendo os textos que serão utilizados no projeto; DICIONÁRIOS de vários tipos; e um recurso de Ajuda, contendo a versão eletrônica de um Livro de Informática, denominado Navegar é Preciso, que depois é distribuído para os participantes em forma impressa.

O software inclui um arquivo de imagens onde estarão disponíveis, em formato eletrônico, os Painéis que ambientarão o espaço de aprendizagem, caracterizando as diferentes etapas do Projeto. Uma pasta com Jogos para o desenvolvimento das competências de ler e escrever. Finalmente, o software inclui o BATE-PAPO, um chat para troca de mensagens on line.

O conjunto dos recursos criados para o Projeto é complementado pelo manual de operação do Projeto Letramento Digital. Destina-se a orientar a ação das instituições parceiras e dos coordenadores (docentes) no desenvolvimento do Projeto. Para uso das instituições parceiras, o texto define e especifica as competências que serão desenvolvidas, descreve a metodologia utilizada, apresenta a estrutura curricular, indica a infra-estrutura necessária, especifica a configuração dos equipamentos de informática e apresenta a perspectiva de avaliação do Projeto.

O cerne do manual, no entanto, interessa especialmente ao docente que será o coordenador das atividades de aprendizagem de Letramento Digital. Trata-se da descrição de uma proposta desenvolvimento das atividades educacionais do Projeto, etapa a etapa, sessão de aprendizagem a sessão de aprendizagem (aula a aula), passo a passo. Um roteiro de orientação das atividades docentes dentro do ambiente de aprendizagem, do início ao fim do projeto.

As definições pedagógicas fundamentais, os recursos criados e o roteiro foram testados entre 2003 e 2005 em inúmeros grupos e em diversificadas circunstâncias. Em todos os grupos, o Projeto mostrou-se eficaz na inclusão digital, no aprimoramento da capacidade de leitura e escrita e no incentivo à continuidade de estudos. As falhas observadas nos grupos experimentais e nas versões originais foram sistematicamente registradas. Esses registros orientaram reformulações e substituições de atividades de aprendizagem que foram consideradas menos adequadas. Este trabalho de revisão deu origem às definições pedagógicas e ao manual defenitivo.

O manual está redigido no formato de uma peça de teatro. A escolha não foi aleatória ou por motivo de sofisticação de estilo. O formato foi escolhido por suas ressonâncias simbólicas. O teatro evoca um ambiente criativo e requer a criatividade de todos os envolvidos na produção do espetáculo teatral. A peça escrita pelo dramaturgo é interpretada criativamente pelo diretor de cena, pelos atores, cenógrafos, iluminadores… Embora a orientação dada pelo texto original possibilite o reconhecimento da obra teatral, cada espetáculo singular é o resultado da criatividade de seus realizadores na relação com um público específico. Neste sentido, cada montagem e cada espetáculo são únicos e irreproduzíveis.

Ao adotar o formato do drama, espera-se que efeito similar ao do teatro seja obtido em cada implementação do Projeto Letramento Digital. O roteiro, embora detalhado e específico, deve ser uma orientação básica que provoque e estimule a criatividade de indivíduos, instituições e grupos autônomos e independentes de realizadores.

 

O manual, desta forma, cumpre um papel decisivo na estratégia de difusão do Projeto Letramento Digital. A sua ambição é proporcionar, articulando o conjunto de recursos didáticos, todas as informações e orientações que possibilitem que uma organização, grupo ou pessoa possa, independentemente de orientação ou vinculação institucional, reproduzir o Projeto em qualquer local do país que disponha dos recursos e dos equipamentos de informática que são fundamentais no seu desenvolvimento.


[1] Vera Masagão Ribeiro, Letramento no Brasil, São Paulo, Global Editora, 2003, p.16. Numa concepção distinta, os incluídos na população em questão são considerados analfabetos funcionais.

 

Piraí faz história na Educação 5 de agosto de 2009

 

  Depois do Projeto Piraí Digital receber, no dia 13 de junho, em Nova York, o premio Top Seven Intelligent Communities, ficando Piraí entre as sete cidades mais inteligentes do mundo, o site da cidade divulga a seguinte notícia:

 

Em solenidade que contará com a presença do Presidente Luís Inácio Lula da Silva, do Governador Sérgio Cabral, dos Ministros Fernando Haddad (Educação) e Dilma Rousseff (Casa Civil), do Vice-Governador Luiz Fernando Pezão e do Prefeito Arthur Henrique Gonçalves Ferreira, Tutuca, entre outras autoridades, o município de Piraí, no Sul Fluminense, entrará para a história da educação, nesta sexta-feira, 31 de julho, ao se tornar o primeiro do mundo a distribuir notebooks a todos os alunos e professores da rede de ensino mantida pela Prefeitura.

 

A solenidade será realizada na Praça de Santana, a principal da cidade, a das 9h às 12h30, ocasião em que será feita a distribuição simbólica de notebooks a 20 alunos, cada um representando uma das escolas do município que serão beneficiadas nesta segunda etapa do programa, que é a vertente educacional do Projeto Piraí Digital.

 

“Estamos vivendo um momento importante para a educação de Piraí, do Estado do Rio e do Brasil. Ele é fruto de uma política que cumpriu seu dever de casa, ao decidir priorizar a educação e a saúde, áreas em que a Prefeitura aplica quase 60% do orçamento. O resultado está aí, à vista de todos. Temos a segunda melhor saúde do estado e estamos fazendo história na educação. Por isso, é também um momento de orgulho para todos nós, piraienses”, ressaltou o Secretário de Governo de Piraí, Gustavo Tutuca, coordenador-geral do Projeto Piraí Digital.

 

A entrega de um notebook a cada aluno – e professor – das escolas mantidas pela Prefeitura de Piraí é a expansão de uma experiência que começou em 2007, quando o município foi um dos quatro escolhidos pelo Governo Federal para implantar o piloto do Projeto UCA – Um Computador por Aluno. Os outros escolhidos – todos capitais de Estado – foram São Paulo, Palmas e Porto Alegre, mas a experiência de maior sucesso foi a de Piraí, comprovada pelos números apresentados pelo colégio escolhido – o CIEP municipalizado Professora Rosa da Conceição Guedes. A evasão escolar caiu para menos de 1% (a média nacional é de 26%), subiu de 2,4 para 4,8 o Ideb, que mede a qualidade do ensino, melhorou a disciplina e cresceram o interesse e a participação dos alunos. A matrícula na escola cresceu de 87 alunos em 2005 para cerca de 600 hoje.

 

Piraí foi escolhida para receber o Projeto UCA por causa de seu programa de inclusão digital, que se transformou em política pública, através da implantação do Projeto Piraí Digital, que recebeu vários prêmios internacionais. Além de chancela da Unesco, o projeto fez de Piraí a única cidade brasileira a receber o prêmio Top Seven Intelligent Communities (As 7 cidades mais inteligentes do mundo). O Projeto mereceu capa da revista americana Newsweek e pôs Piraí entre as 40 cidades brasileiras que possuem indicadores de países ricos e com experiências que devem servir de exemplo, segundo reportagem da revista VEJA.

 

Obs\: As ilustrações forma acrescentadas por nós

 

Letramento Digital 13 de julho de 2009

 

A apresentação postada a seguir foi elaborada para o lançamento do Projeto Letamento Digital.

 

 

O Projeto Letramento Digital foi desenvolvido e está sendo implementado  pela Germinal e pelo Senac Rio, em parceria. Destina-se à inclusão digital de pessoas com dificuldades de leitura e escrita, objetivando, ao mesmo tempo, ampliar as competências de ler e escrever dessas pessoas com o uso do computador.

Lançado em 26 de maio de 2006, na sede do Senac Rio, a população alvo do Projeto é a que está incluída no nível mais elementar de alfabetismo (nível 1), do Índice Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF), criado pela Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro (IBOP).

”O nível 1 de alfabetismo corresponde à capacidade de localizar informações explícitas em textos muito curtos, cuja configuração auxilia o reconhecimento do conteúdo solicitado. Por exemplo, identificar o título da revista utilizada na testagem ou, num anúncio, localizar a data em que se inicia uma campanha de vacinação ou a idade a partir da qual a vacina pode ser tomada gratuitamente“.

A população alvo do Projeto está estimada em 40.000.000 de pessoas. Para enfrentar o desafio de atender pelo menos em parte uma população tão grande, o projeto foi desenvolvido de forma a ser facilmente replicado através de parcerias com instituições  governamentais, ONGs ou através de ações de responsabilidade social das empresas.

 

As organizações ou comunidades interessadas em participar do projeto podem procurar o Centro de Educação para o Trabalho e a Cidadania do Senac Rio. Telefone (21) 2473-8671. Podem também entrar em contato com a Germinal, através do Fale Conosco.

————————————————————————————

Clique no link se estiver interessado em mais informações sobre o Projeto Letramento Digital ou em Amostra I ou Amostra II se quiser conhecer outros exemplos de sessões de aprendizagem (aulas) do Projeto Letramento Digital.

 

Letramento Digital – uma amostra 5 de abril de 2009

Capa do livro Navegar é Preciso - ilustração de Mariana Massarani

Livro Navegar é Preciso - ilustrações de Mariana Massarani

 

 

Este post veicula, como amostra, uma sessão de aprendizagem do Projeto Letramento Digital. Para maiores informações sobre o Projeto, acesse os links inseridos ao final da postagem.

 

A imagem à direita é uma reprodução da capa do livro Navegar é Preciso. O livro é um dos  recursos didáticos do Projeto e é destribuído para todos os alunos que o frequentam.

 

 

A PRIMEIRA SESSÃO DE APRENDIZAGEM DA ETAPA REFLETIR

Plano da sessão de aprendizagem (1/5) 

Etapa: Refletir                                            Sessão 1/5

Competências

Situação de Aprendizagem

Recursos

Tempo

Explorar a Internet para efetuar pesquisas.

Utilizar um dicionário e outras ajudas eletrônicas para corrigir textos.

Utilizar dicionários e gramáticas impressas na correção de textos.

Ler textos impressos como forma de expandir a competência de leitura e para ampliar conhecimentos.

Desenvolver mecanismos próprios de correção textual.

Aprimorar, em forma e conteúdo, uma produção textual própria ou alheia.

Explorar livremente os recursos de software disponíveis.

Cena 1: Recepção e introdução à Internet

Água, chá, café. Capas de Revistas. Simulador de Internet

 15’

 Cena 2: As pedras do caminho

 Livro de Leitura

 25’

 Cena 3: Capas

Word.

30’

Cena 4: Manchetes

Word. Revistas usadas.

30’

Cena 5: Arte Final

Disquetes e impressora

30’

 Cena 6: Exposição de arte

  Capas de Revista

 25’

 Cena 7: Navegando e pesquisando

Ambiente de Internet e demais recursos de Informática

15’’

 

Cena 8: Avaliação do Dia

 

MENSAGEIRO

 

10’

 

 

 

 

Modificações no cenário básico

A sala já está ambientada para a etapa Refletir. Os computadores estão desligados. Quando ligados já estarão articulados em rede para possibilitar comunicação escrita entre os participantes. Na rede, cada computador continua recebendo o mesmo número.

Como descanso de tela, alternam-se cópias dos painéis que compõem a ambientação da etapa Refletir. Em uma mesa lateral: Uma garrafa de água, uma garrafa térmica de café e outra de chá.  Em lugar central da sala, no espaço destinado a exposições, estão coladas as capas de revistas produzidas pelos participantes na etapa anterior.

 

Cena 1: Recepção e Introdução à Internet

  Cumprimentando cada participante que chega…

Coordenador: Oi, tudo bem? Não quer tomar um café? Como foi o fim de semana? Disposto para uma nova etapa do Letramento? Viu os novos cartazes? De qual você mais gostou?

Na hora prevista…

Vocês já navegaram na Internet? Hoje vocês poderão experimentar como é navegar na Internet. Ligando os computadores vocês poderão abrir o Internet Explorer (escreve), um programa que permite navegar na Internet. O nosso ambiente de Internet é simulado, não é verdadeiro. É só pra vocês aprenderem a navegar. A Internet real é muito mais rica e complexa; tem-se acesso a milhares de sites do mundo inteiro. Site é uma palavra inglesa que significa sítio.  Dá para navegar a vida toda.

Participantes: Estimulados pelo coordenador, fazem comentários sobre o que conhecem da Internet…

Coordenador: Ocupem seus lugares, liguem as máquinas e entrem na internet. Naveguem e explorem suas possibilidades. Procurem, especialmente, materiais que cada um poderia aproveitar para a revista que estamos fazendo: imagens, fotos, informações etc.; materiais que possam ajudar a melhorar as capas. Nós, hoje, vamos continuar o trabalho com as capas que vocês fizeram na semana passada.

Quinze minutos após o horário marcado…

 

Cena 2: As pedras do caminho

Luís Penetra - Fotógrafos de Elvas
Luís Penetra – Fotógrafos de Élvas

Coordenador: Vamos interromper a navegação pela Internet. Vocês terão outras oportunidades de voltar a ela. Abram o Livro de Leitura, no capítulo Refletir (escrever). A primeira página desse capítulo é a poesia “No Meio do Caminho” (escrever), de Carlos Drummond de Andrade. Todos encontraram? Vamos ler a poesia todos juntos?

Todos: Lêem a poesia.

 

 

 

 

No meio do caminho tinha uma pedra

Tinha uma pedra no meio do caminho

Tinha uma pedra

No meio do caminho tinha uma pedra.

 

Nunca me esquecerei desse acontecimento

Na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho

Tinha uma pedra

Tinha uma pedra no meio do caminho

No meio do caminho tinha uma pedra

 

Poesia Completa / Carlos Drummond de Andrade. – 1ª ed. -Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar S.A., 2002

 

Coordenador: Este poema é muito famoso. O que vocês acharam da mensagem?

Participantes: Estimulados pelo coordenador, fazem comentários a respeito do poema lido.

Coordenador: O que significa, no poema, a expressão “no meio do caminho tinha uma pedra”?

Participantes: Interpretam o texto.

Coordenador: Na vida, a gente sempre encontra uma pedra no caminho ou até mais de uma, não é? Até aqui, no caminho da Revista, vocês encontraram muitas pedras?

Participantes: Estimulados pelo coordenador, comentam a respeito dos problemas que já encontraram na criação da revista, como os enfrentaram e como conseguiram superá-los.

Coordenador: As pedras ainda não terminaram porque o caminho da criação e construção da revista ainda não acabou. A partir de hoje e nas próximas sessões, melhoraremos o que já fizemos e escreveremos muito mais. Voltaremos a cada uma das páginas realizadas na etapa passada em todos os dias da fase Refletir (escrever). Aperfeiçoaremos o trabalho já feito. Tornaremos tudo mais bonito. Corrigiremos o que for necessário corrigir. Escreveremos mais e melhor. Cada um vai fazer da sua parte da revista uma obra prima. Estão prontos para começar?

Participantes: Comentam a proposta de continuidade.

 

 

Cena 3: Capas

criação de Rodrigo Oliveira
Criação de Rodrigo Oliveira

Coordenador: Voltemos, então, para a capa da revista (mostrar a exposição). Lembram-se dela? Foi o primeiro trabalho que fizemos. Abram o arquivo no qual está a capa da revista. O nome da pasta é Revista (escrever) e o nome do arquivo é Capa (escrever). Todos acharam?

Participantes: Abrem o arquivo.

Coordenador: Melhoraremos todas as propostas de capa para a revista. O primeiro desafio é revisar o que já foi feito. Esta é a oportunidade de corrigir o que deve ser corrigido. Vamos verificar se o título da revista e o slogam estão escritos corretamente. Vamos trabalhar em duplas. Formem duplas!

Participantes: Formam duplas, organizadas segundo a proximidade dos computadores.

Coordenador; Cada integrante da dupla ajudará o outro a melhorar a redação do  título e do slogan da revista. Podem começar o trabalho de correção. Utilizem o comando Ortografia e gramática (escrever), em Ferramentas (escrever), que indicará, em vermelho, possíveis incorreções e fornecerá dicas para corrigir o que pode estar errado. Cuidado, no entanto. Às vezes o Word assinala palavras com um risco vermelho e não existe erro nenhum. Algumas vezes, ele dá sugestões para a correção, outras vezes não dá. Converse com o colega de dupla. Discutam.  Usem os dicionários da sala. Usen o Dicionário que vocês encontram na pasta LIVROS. Procurem dicionários na Internet.

 O coordenador acompanha os trabalhos, fornecendo orientações em relação à correção sempre que necessário. Após vinte minutos e verificando que todos conseguiram concluir as correções…

Coordenador: Muito bem! Desfaçam as duplas. Aqueles que não estiverem satisfeitos com o trabalho anterior, e quiserem fazer outras modificações no título e no slogam, podem fazê-lo.

Participantes: Trabalham a capa da revista, de acordo com a proposta.

Coordenador: Todos conseguiram fazer as modificações e correções na capa da revista? Salvem o trabalho no computador e no disquete, sem mudar o nome do arquivo. Vamos ao próximo passo.

 

Cena 4: Manchetes

Coordenador: O segundo desafio é incluir na capa da revista uma coisa nova: as manchetes. Todos sabem o que são manchetes? Manchetes são títulos em destaque, escritos com letras maiores para serem colocados em evidência (mostrar capas de revista previamente selecionadas com manchetes) como estas. Este título é um exemplo de manchete (mostrar). A manchete também é conhecida como chamada de capa. É uma espécie de anúncio do que o leitor vai encontrar no interior da revista. Peguem as revistas que estão nas mesas de vocês e localizem as manchetes nelas existentes. Cada um de nós lerá uma como se estivesse anunciando a revista no rádio ou na televisão. Eu vou começar.

Participantes: Seguindo o exemplo do coordenador, um a um, lêem uma manchete para os companheiros.

Coordenador. Percebam que as manchetes anunciam os assuntos abordados na revista. Em nossa revista, os assuntos tratados são os saberes de cada um. Sobre o que cada um está escrevendo?

Participantes: Cada um diz sobre o que está escrevendo.

Depois de escrever os temas dos integrantes do grupo…

Coordenador: Vocês escolherão uma ou mais dessas matérias para dar destaque na capa da revista. Escolham as que vocês querem colocar em evidência. Todos entenderam?

Participantes: Comentam a proposta. Esgotadas as dúvidas, começam a trabalhar na inclusão de uma manchete (ou mais de uma) na capa da revista.

O coordenador acompanha o desenvolvimento dos trabalhos sem interferir diretamente. Após vinte minutos

 

Cena 5: Arte Final

Coordenador: Todos incluíram suas manchetes de capa da revista? Atenção! Enquanto fazem a arte final, percorrerei as telas para fazer uma revisão final. Revisão final é a revisão que se faz em todas as publicações – jornais, livros, revistas, etc. – para ver se não sobrou nenhuma incorreção por distração do redator ou mesmo de outras revisões já feitas. Então, vou passar no lugar de cada um para fazer a revisão final e apontar casos que precisam de ajustes e/ou de melhorias…

Atenção, coordenador

Evite falar a palavra erro, ou expressões como: “está errado”, “precisa fazer certo”, “tem que mudar o que está errado”. Opte por expressões como: “está bem, mas são necessários alguns ajustes”; “está muito bem, mas com algumas correções vai ficar melhor ainda”; “está ótimo! Com pequenas correções fica perfeito!”

Participantes: Fazem a arte final da capa e correções baseadas nas indicações do coordenador.

 

Cena 6: Exposição de arte

Coordenador: Todos já concluíram? Já podemos fazer uma exposição dos trabalhos? Salvem as mudanças realizadas. Não se esqueçam também de salvar os trabalhos em disquete. Depois, cada um pode imprimir duas cópias da sua capa.

Concluída a impressão…

Coordenador: Para todos analisarem os progressos do grupo, vou expor a capa que cada um acabou de fazer ao lado da sua capa anterior, feita há vários dias.

Coloca os dois trabalhos de cada participante um ao lado do outro, construindo uma exposição coletiva.

Participantes: Movimentam-se para observar todos os trabalhos realizados no dia ao lado dos anteriores. Fazem comentários entre si e com o coordenador sobre suas impressões a respeito do progresso observado.

Coordenador: Parabéns a vocês. O trabalho está muito bom. Desta vez, nem elegeremos o melhor porque todos já são campeões em superação e progresso pessoal e, por esta razão, incomparáveis.

 

Cena 7: Navegando e pesquisando

Coordenador: Vamos  navegar na Internet novamente?  Vocês voltarão para a Internet com uma missão: a de encontrar coisas interessantes  sobre o assunto que estão trabalhando para acrescentar na revista. Ficou claro? (Pausa; depois, enfatizar) A navegação agora não deve ficar à deriva. A atitude é de pesquisador: cada um vai procurar material para enriquecer a sua revista.

Participantes: Comentam a proposta, solicitam esclarecimentos, lançam hipóteses a respeito do aproveitamento de recursos da Iternet.

Coordenador: O que encontrarem e quiserem guardar para uma utilização posterior, selecionem, copiem e colem numa pasta nova. Chamem esta pasta de Pesquisa Internet (escrever). Dêem um nome para cada arquivo. Nomes que facilitem achá-los depois. Todos entenderam?

Participantes: Exploram a Internet procurando textos, gravuras ou qualquer outro recurso sobre o “seu assunto” para incluir na revista. Trocam idéias sobre as possibilidades de aproveitamento. Copiam e arquivam tudo o que considerem interessante.

Dez minutos antes do horário marcado para a saída…

Coordenador: Já não temos mais tempo. Salvem tudo no computador e no disquete. Amanhã voltaremos ao material hoje pesquisado.

 

 Cena 8: Avaliação do Dia

Coordenador: Por favor, abram o MENSAGEIRO e escrevam uma mensagem para mim. Enviem para o meu endereço eletrônico. Para escrever a mensagem, vocês completarão a frase: O que mais me entusiasmou no trabalho de hoje foi… (escrever).

Participantes: Completam a frase e encaminham ao coordenador.

Coordenador: Já recebi a mensagem de todos. Muito obrigado. Espero vocês na próxima sessão. Venham com grandes idéias. Até amanhã. 

 

 

O Projeto Letramento Digital foi desenvolvido e está sendo implementado  pela Germinal e pelo Senac Rio, em parceria. Destina-se à inclusão digital de pessoas com dificuldades de leitura e escrita, objetivando, ao mesmo tempo, ampliar as competências de ler e escrever dessas pessoas com o uso do computador.

Lançado em 26 de maio de 2006, na sede do Senac Rio, a população alvo do Projeto é a que está incluída no nível mais elementar de alfabetismo (nível 1), do Índice Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF), criado pela Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro (IBOP).

”O nível 1 de alfabetismo corresponde à capacidade de localizar informações explícitas em textos muito curtos, cuja configuração auxilia o reconhecimento do conteúdo solicitado. Por exemplo, identificar o título da revista utilizada na testagem ou, num anúncio, localizar a data em que se inicia uma campanha de vacinação ou a idade a partir da qual a vacina pode ser tomada gratuitamente“.

A população alvo do Projeto está estimada em 40.000.000 de pessoas. Para enfrentar o desafio de atender pelo menos em parte uma população tão grande, o projeto foi desenvolvido de forma a ser facilmente replicado através de parcerias com instituições  governamentais, ONGs ou através de ações de responsabilidade social das empresas.

 

As organizações ou comunidades interessadas em participar do projeto podem procurar o Centro de Educação para o Trabalho e a Cidadania do Senac Rio. Telefone (21) 2473-8671. Podem também entrar em contato com a Germinal, através do Fale Conosco.

————————————————————————————

Clique no link se estiver interessado em mais informações sobre o Projeto Letramento Digital ou em Amostra I ou Amostra II se quiser conhecer outros exemplos de sessões de aprendizagem (aulas) do Projeto Letramento Digital.

 

 

 

Letramento Digital em 2007 15 de novembro de 2008

O Relatório de Ações Sociais do SENAC Nacional, de 2007, traz a seguinte informação sobre o Projeto Letramento Digital:

 

imageComo falar de tecnologia para indivíduos inseridos no nível mais elementar de alfabetismo? Esse foi o grande desafio da ação Letramento Digital, realizada pelo Senac no Rio de Janeiro, que propiciou inclusão digital a pessoas com dificuldades de leitura e escrita, ampliando, ao mesmo tempo, as suas competências de ler e de escrever.

 

A ação prestou 442 atendimentos no Estado do Rio, com turmas nos municípios de Nova Iguaçu, Engenheiro Paulo de Frontin e Barra do Piraí, e na capital. A ação foi realizada ao lado de entidades como o Centro Social Amigos do Nova Era, ONG Semente do Amanhã, Escola Municipal Cecília Meirelles, Estação Digital de Engenheiro Paulo de Frontin, Centro Social Vila Aliança e Cooperativa dos Coletores e Recicladores do Rio de Janeiro.”

 

 

 

O Projeto Letramento Digital foi desenvolvido e está sendo implementado  pela Germinal e pelo Senac Rio, em parceria. Destina-se à inclusão digital de pessoas com dificuldades de leitura e escrita, objetivando, ao mesmo tempo, ampliar as competências de ler e escrever dessas pessoas com o uso do computador.

 

Lançado em 26 de maio de 2006, na sede do Senac Rio, a população alvo do Projeto é a que está incluída no nível mais elementar de alfabetismo (nível 1), do Índice Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF), criado pela Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro (IBOP).

 

”O nível 1 de alfabetismo corresponde à capacidade de localizar informações explícitas em textos muito curtos, cuja configuração auxilia o reconhecimento do conteúdo solicitado. Por exemplo, identificar o título da revista utilizada na testagem ou, num anúncio, localizar a data em que se inicia uma campanha de vacinação ou a idade a partir da qual a vacina pode ser tomada gratuitamente“.

 

A população alvo do Projeto está estimada em 40.000.000 de pessoas. Para enfrentar o desafio de atender pelo menos em parte uma população tão grande, o projeto foi desenvolvido de forma a ser facilmente replicado através de parcerias com instituições  governamentais, ONGs ou através de ações de responsabilidade social das empresas.

As organizações ou comunidades interessadas em participar do projeto podem procurar o Centro de Educação para o Trabalho e a Cidadania do Senac Rio. Telefone (21) 2473-8671. Podem também entrar em contato com a Germinal, através do Fale Conosco.

————————————————————————————

Clique no link se estiver interessado em mais informações sobre o Projeto Letramento Digital ou em Amostra I ou Amostra II se quiser conhecer exemplos de sessões de aprendizagem (aulas) do Projeto Letramento Digital.

 

Letramento Digital 20 de junho de 2008

 

O Projeto Letramento Digital foi desenvolvido e está sendo implementado  pela Germinal e pelo Senac Rio, em parceria. Destina-se à inclusão digital de pessoas com dificuldades de leitura e escrita, objetivando, ao mesmo tempo, ampliar as competências de ler e escrever dessas pessoas com o uso do computador.

 

 Lançado em 26 de maio de 2006, na sede do Senac Rio, a população alvo do Projeto é a que está incluída no nível mais elementar de alfabetismo (nível 1), do Índice Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF), criado pela Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro (IBOP).

 

”O nível 1 de alfabetismo corresponde à capacidade de localizar informações explícitas em textos muito curtos, cuja configuração auxilia o reconhecimento do conteúdo solicitado. Por exemplo, identificar o título da revista utilizada na testagem ou, num anúncio, localizar a data em que se inicia uma campanha de vacinação ou a idade a partir da qual a vacina pode ser tomada gratuitamente[1]“.

 

 

O logotipo ao lado identifica o Projeto. Notícias sobre a implementação do Projeto podem ser vistas na internet:

 

 

1. Existe disponível na internet uma apresentação em PowerPoint do Projeto. Ela pode ser acessada em:  http://www.inclusaodigital.gov.br/inclusao/noticia/arquivos/outros/5-oficina/apresentacoes-nao-governamentais/monica.ppt

 

2. O site Assessibilidade Brasil assim convida para o lançamento do Projeto Letramento Digital: “Será lançado no dia 26, de 13 às 18h, o projeto Letramento Digital, voltado para a inclusão digital de pessoas com dificuldades de leitura e escrita. Outro objetivo é ampliar, nessas pessoas, as competências de ler e escrever com o uso do computador.”

Lançamento do Projeto Letramento Digital - FComércio RJ

 

3. O Boletim da FComércio – RJ, assim noticiou o lançamento do Projeto: “O Centro de Educação para o Trabalho e a Cidadania do Senac Rio lançou, dia 26 de maio, no auditório da Casa do Comércio, no Flamengo, o Programa de Letramento Digital, em parceria com a Germinal Consultoria, destinado a pessoas incluídas no nível mais elementar de analfabetismo. No Brasil, esse universo abrange mais de 30 milhões de indivíduos que, até agora, não tinham um projeto de inclusão digital voltado para eles. O programa conta com tecnologia de fácil replicação e foi testado durante quatro anos. O objetivo é incluir digitalmente pessoas de baixa escolaridade, ampliando as competências de ler e escrever com o uso do computador.”

 

 

FGV/RJ - Revista Sistema - ilustração -exclusão digital

4. Em um bom artigo sobre o mapa da exclusão digital no Brasil, sobre o Projeto Letramento Digital diz a Revista Sistema da Fundação  Getulio Vargas do Rio: “Atento ao problema e ainda para o alto grau de analfabetismo real, o Senac Rio está desenvolvendo o programa Letramento Digital, uma solução de conhecimento destinada a analfabetos e aos não-letrados, que objetiva um significativo avanço nas competências de ler e escrever, necessárias ao desenvolvimento da cidadania e ao desempenho profissional. A proposta busca, ao mesmo tempo, a inclusão digital tornando os participantes aptos à navegação e a utilização de comandos fundamentais de seus principais aplicativos, especialmente o editor de texto.”  

 

No site do Senac Rio o Projeto é assim apresentado:

O programa Letramento Digital inclui digitalmente pessoas com baixa escolaridade, possibilitando o acesso às novas tecnologias de informação e comunicação.

Foi desenvolvido em parceria entre a empresa Germinal Consultoria e o Senac Rio, e destina-se à inclusão digital de pessoas com dificuldades de ler e escrever, objetivando, ao mesmo tempo, ampliar essas competências com o uso do computador.

É um programa resultante de pesquisa aplicada que durante quatro anos vem obtendo resultados positivos.

É uma importante ferramenta no combate à exclusão digital.

As comunidades interessadas em participar do projeto podem procurar o Centro de Educação para o Trabalho e a Cidadania do Senac Rio. Nosso telefone (21) 2473-8671.”

————————————————————————————

Clique no link se estiver interessado em mais informações sobre o Projeto Letramento Digital ou em Amostra I ou Amostra II se quiser conhecer exemplos de sessões de aprendizagem (aulas) do Projeto Letramento Digital.


[1] Vera Masagão Ribeiro, Letramento no Brasil, São Paulo, Global Editora, 2003, p.16. Numa concepção distinta, os incluídos na população em questão são considerados analfabetos funcionais. 
 

O Projeto Letramento Digital

 

 

 Neste post estão publicados excertos do Plano de Curso do Projeto Letramento Digital. O Projeto é uma iniciativa do Senac Rio e da Germinal Consultoria, em parceria. Destina-se à inclusão digital de pessoas com dificuldade de leitura e escrita. O texto a seguir é um excerto do livro Letramento Digital, de José Antonio Küller e Natalia F. Rodrigo, publicado pela Editora Senac Rio (2006). O excerto foi editado de forma diversa da originalmente publicada no livro.

 

 

   INTRODUÇÃO

 

Ilustração de Maraina Massarani

Mariana Massarani - Ilustação do Livro Navegar é Preciso

A inclusão digital da população com dificuldade de leitura e escrita é um desafio metodológico.

Em geral, as propostas de inclusão digital utilizam métodos que pressupõe o ler e escrever com um mínimo de desenvoltura. Assim, a população alvo do Projeto se defronta, no interior das propostas usuais de inclusão digital, uma forma sutil de exclusão: a didática. O seu fracasso no domínio da tecnologia deriva da proposta pedagógica dos programas de iniciação à informática, centrada na leitura e na escrita, e não de sua incapacidade de dominar os comandos que lhe dariam acesso aos recursos e benefícios da nova tecnologia.

O primeiro levantamento do INAF, em 2001, indicou que, na população brasileira, cerca de 70% dos que estão incluídos no nível 1 de alfabetismo tem entre um e quatro anos de escolaridade.

A inclusão digital da população com escolaridade entre um e quatro anos e o desenvolvimento da capacidade de ler e escrever dessa população são os objetivos centrais do Projeto Letramento Digital.

O projeto se justifica pela ausência de qualquer outro programa de inclusão digital especificamente destinado a esta população. Uma população que é constituída por cerca de quarenta milhões de brasileiros. Destes, segundo o INAF, apenas 4% usam de alguma forma o computador.

Cantinho virtual da educação - ilustração

No desenho metodológico do projeto Letramento Digital, buscou-se superar a dificuldade de leitura e escrita e transformá-la de empecilho em objeto de desenvolvimento educacional. Procurou-se favorecer uma aproximação à informática em que a leitura e a escrita fluentes não fossem requisitos, mas competências a serem desenvolvidas simultânea e sinergicamente ao domínio das competências de navegação e operação de aplicativos.

Procurou-se, além disso, que o interesse no domínio da informática fosse instrumento de uma nova aproximação da leitura e da escrita, que facilitasse a superação da sensação de incompetência e de traumas derivados de mal sucedidas experiências escolares anteriores. O objetivo de recuperar a auto-estima e a vontade de voltar a estudar dos participantes esteve presente desde as formulações iniciais do projeto.

         

AS COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS

Professor - ilustração de "A Nossa Escola"

           

  • Navegar, sem receio, por um sistema operacional.
  • Utilizar o ambiente da Internet para melhoria da comunicação e da interação social.
  • Utilizar as principais ferramentas de um editor de textos na criação de documentos eletrônicos.
  • Produzir pequenos textos adequados aos seus destinatários e aos assuntos e objetivos propostos.
  • Interpretar textos com complexidade equivalente aos das notícias sobre o cotidiano de um jornal.
  • Dominar ferramentas que possibilitem a continuidade da aprendizagem digital e o aprimoramento da produção e interpretação de textos.

 

 A METODOLOGIA

Pipa e casal - misterangel.wordpress.com

A proposta pedagógica do Projeto Letramento Digital funda-se nas perspectivas de construção do conhecimento e no desenvolvimento de competências. Uma e outra perspectiva exigem a atividade criadora do educando como centro do processo de aprendizagem.

Assim, o desenho metodológico do Projeto está orientado no sentido de criar situações concretas ou simuladas em que as competências em desenvolvimento e o conhecimento em construção sejam requeridos, exercitados e avaliados.

Para desenvolver a competência de navegar por um sistema operacional e construir o conhecimento correlato, por exemplo, é preciso criar situações onde o participante é solicitado a enfrentar desafios de navegação, buscar referências para superá-los, refletir sobre suas tentativas de solução e continuamente aprimorá-las.

O uso do termo letramento dá mais nitidez ao contorno do desenho metodológico do Projeto. A palavra letramento, quando utilizada no contexto da aprendizagem da leitura e da escrita, refere-se não a capacidade de converter signos escritos em orais ou vice-versa, mas ao domínio das habilidades, atitudes e conhecimentos necessários ao uso efetivo e competente da leitura e da escrita nas práticas sociais que as requerem e no cotidiano das pessoas (Magda Soares).

A competência manifesta-se no desempenho concreto. Ela é requerida para enfrentar os desafios e problemas cotidianos e inusitados da vida, da convivência em sociedade e do trabalho. Assim, para o letramento digital, para desenvolver a capacidade do uso efetivo do computador (também da leitura e da escrita), as situações de aprendizagem devem ser propostas de forma que os desafios desse uso surjam no ambiente de aprendizagem de forma muito semelhante de como aparecem ou podem aparecer no cotidiano, na vivência social e no trabalho.

 

               DESAFIOS, PROBLEMAS, PROJETO

Época - Época na Educação - Monte a sua Revista (capa)

A metodologia circunscreve, então, um contexto de problemas, desafios, tarefas e projetos em que as competências em desenvolvimento serão constantemente requeridas.

Posto o desafio, tarefa, projeto ou problema, os participantes são estimulados à busca da solução a partir de referências também buscadas por eles. Primeiro, no contexto do grupo mais imediato. Depois em recursos disponíveis no próprio computador, inclusive no software que foi desenvolvido especialmente para o Projeto. Depois, mais além.

Definida e experimentada a solução, os educandos são instados a criticá-la, a revê-la, a melhorá-la. Desafio ou problema, busca de referências, geração da solução, atividade, reflexão sobre a atividade e reformulação da ação são, assim, os passos metodológicos fundamentais usados em Letramento Digital.

Os desafios e atividades decorrentes são enfeixados por um projeto. Dando sentido aos desafios iniciais e articulando os posteriores, será proposto o projeto de edição de uma revista eletrônica pelo grupo de aprendizes. A revista eletrônica versará sobre os saberes existentes no grupo de aprendizes. A revista será o espaço para a expressão do saber individual e coletivo dos aprendizes. A idéia da revista foi, depois proposta para outros usos e contextos, como mostra o fascículo 4 (Monte sua Revista) da revista Época na Educação (ver figura e em: http://epoca.globo.com/educacao/). Continua novo e, provavelmente, inédito o público para o qual o projeto é proposto e o contéudo da revista.

Cada participante terá, na revista, uma coluna onde falará sobre o que mais conhece e o que mais sabe fazer.  Iniciada depois de 40% do percurso do Projeto, a revista será o desafio fundamental que exigirá todas as competências em construção e desenvolvimento.

Para a prática da metodologia, os participantes precisam acreditar nas suas potencialidades e envolver-se com a busca, a troca, a criação, a experimentação, a reflexão e o crescimento que pavimentam o percurso do enfrentamento do desafio e que resulta na construção do conhecimento e na atuação cada vez mais competente. Para tanto, a proximidade e o envolvimento do participante com o desafio, o problema, a tarefa ou com o projeto é fundamental.

 

 A ESTRUTURA

Flor da Paixão, baixaja.com.br

Flor da Paixão, baixaja.com.br

       

Letramento Digital terá a duração de setenta e cinco (75) horas, divididas em vinte e cinco (25) sessões de três (3) horas. Estará organizado em torno de um projeto que funcionará como eixo articulador das situações e atividades de aprendizagem: a criação de uma revista eletrônica sobre os saberes dos membros do grupo de aprendizagem.

O conjunto das sessões estará dividido em cinco (5) grandes etapas: Nutrir, Partilhar, Agir, Refletir, Criar. Cada etapa terá cinco (5) sessões de sprendizagem, com a duração de três (3) horas cada uma. Inspiradas nos impulsos humanos fundamentais identificados por Jung, as etapas envolvem estímulos, referências, ambientações e elementos simbólicos ligados a impulsos que afetam o comportamento de todo o humano.

Em cada etapa, usam-se referências simbólicas ao impulso privilegiado.   As referências simbólicas são veiculadas por atividades, músicas, textos (especialmente os poéticos) e imagens. Através do uso intensivo de símbolos procura-se criar um ambiente sucessivamente propício à assimilação, à troca, à atividade, à reflexão e à criatividade.

 Nutrir

Nesta primeira etapa, um conjunto de problemas, desafios, atividades e situações de aprendizagem estarão organizados em torno da busca e descoberta individual e do domínio das capacidades básicas necessárias para efetuar operações simples.

 Compartilhar

Nesta etapa, os problemas, desafios, atividades e situações de aprendizagem proporcionarão o compartilhar das aprendizagens da etapa anterior, alinhando o grupo em relação às aprendizagens da primeira etapa. Além disso, através da busca coletiva e do intercâmbio, o ampliar da capacidade de manusear o computador.

 Agir (atividade)

Nesta etapa, os problemas, desafios, atividades e situações de aprendizagem proporcionarão a consolidação das aprendizagens das etapas anteriores e o alinhamento do grupo em relação às aprendizagens da primeira etapa e da segunda etapa.  Além disso, através do projeto central (Revista Eletrônica), facilitar a ampliação da capacidade de transferir textos, refazer operações, formatar textos e gerenciar mensagens.

 Refletir

Além da consolidação das aprendizagens anteriores, esta etapa será concentrada na revisão dos textos da Revista Eletrônica que foram elaborados na etapa anterior. Dar-se-á especial ênfase à melhoria, ampliação e correção dos textos.

 Criar

Nesta etapa os textos da revista serão articulados, ilustrados e recriados a partir de pesquisa na Internet ou outras formas de acesso à informação e, por fim, a revista será editada. O ambiente de informática será totalmente aberto.

 

OS RECURSOS DE ENSINO/APRENDIZAGEM

Para ao atendimento simultâneo dos objetivos de inclusão digital, desenvolvimento das competências de ler e escrever e de retorno aos estudos, foi necessário um desenho metodológico inovador e o desenvolvimento de recursos didáticos de suporte, adaptados à metodologia e à diversidade dos objetivos em jogo.

Foi criado um Software específico para possibilitar que todas as atividades didáticas fossem desenvolvidas e controladas com o uso do computador, considerado como o recurso didático fundamental.

Além do controle do ambiente de informática, o software inclui um Livro Eletrônico de Leitura, contendo os textos que serão utilizados no projeto; DICIONÁRIOS de vários tipos; e um recurso de Ajuda, contendo a versão eletrônica de um Livro de Informática, denominado Navegar é Preciso, que depois será distribuído para os participantes em forma impressa.

O software também inclui um arquivo de imagens onde estarão disponíveis, em formato eletrônico, os Painéis que ambientarão o espaço de aprendizagem, caracterizando as diferentes etapas do Projeto. Uma pasta com Jogos para o desenvolvimento das competências de ler e escrever e para exercitar o manuseio do mouse. Finalmente, o software inclui o BATE-PAPO, um chat para troca de mensagens on line.

 

Capa do Livro Navegar é Preciso - ilustração de Mariana Massarani

                                                                          

 

 

O livro Navegar é Preciso

 

Para os participantes foi escrito um livro didático, denominado Navegar é Preciso, de Marcelo Brum de Azevedo e José Antonio Küller, com ilustrações de Mariana Massarani, publicado pela Editora Senac Rio. O livro apóia a busca autônoma de conhecimento pelos participantes, além de ser instrumento no desenvolvimento da competência de leitura.

 

 

 

 

 

                                                                                                        

  O livro Letramento Digital

Capa do livro Letramento Digital

O conjunto dos recursos criados para o Projeto é complementado pelo livro do docente, denominado Letramento Digital, de José Antonio Küller e Natalia F. Rodrigo, publicado pela Editora Senac Rio. Ele é um manual de operação. Destina-se a orientar a ação das instituições parceiras e dos futuros coordenadores (docentes) na implementação do Projeto.

Para uso das instituições parceiras, o livro define e especifica as competências que serão desenvolvidas, descreve a metodologia utilizada, apresenta a estrutura curricular, indica a infra-estrutura necessária, especifica a configuração dos equipamentos de informática e apresenta a perspectiva de avaliação do Projeto.

O cerne do livro Letramento Digital, no entanto, interessa especialmente ao docente que será o coordenador das atividades de aprendizagem. Trata-se da descrição de uma proposta de desenvolvimento das atividades educacionais do Projeto, etapa a etapa, sessão de aprendizagem a sessão de aprendizagem (aula a aula), passo a passo. Um roteiro de orientação das atividades docentes dentro do ambiente de aprendizagem, do início ao fim do Projeto.

As definições pedagógicas fundamentais, os recursos criados e o roteiro foram testados entre 2003 e 2005 em inúmeros grupos e em diversificadas circunstâncias. Em todas elas, o Projeto mostrou-se eficaz na inclusão digital, no aprimoramento da capacidade de leitura e escrita e no incentivo à continuidade de estudos.

As falhas observadas nos grupos experimentais e nas versões originais foram sistematicamente registradas. Esses registros orientaram reformulações e substituições de atividades de aprendizagem que foram consideradas menos adequadas. Este trabalho de revisão deu origem às definições pedagógicas e ao roteiro ora apresentados.

O roteiro incluído no livro está redigido no formato de uma peça de teatro. A escolha não foi aleatória ou por motivo de sofisticação de estilo. O formato foi escolhido por suas ressonâncias simbólicas.

O teatro evoca um ambiente criativo e requer a criatividade de todos os envolvidos na produção do espetáculo teatral. A peça escrita pelo dramaturgo é interpretada criativamente pelo diretor de cena, pelos atores, cenógrafos, iluminadores… Embora a orientação dada pelo texto original possibilite o reconhecimento da obra teatral, cada espetáculo singular é o resultado da criatividade de seus realizadores na relação com um público específico. Neste sentido, cada montagem e cada espetáculo são únicos e irreproduzíveis.

Ao adotar o formato do drama, espera-se que efeito similar ao do teatro seja obtido em cada implementação do Projeto Letramento Digital. O roteiro, embora detalhado e específico, deve ser uma orientação básica que provoque e estimule a criatividade de indivíduos, instituições e grupos autônomos e independentes de realizadores.

O livro Letramento Digital, desta forma, cumpre um papel decisivo na estratégia de difusão do Projeto Letramento Digital. A sua ambição é proporcionar, articulando o conjunto de recursos didáticos, todas as informações e orientações que possibilitem que uma organização, grupo ou pessoa possa, independentemente de orientação ou vinculação institucional, reproduzir o Projeto em qualquer local do país que disponha dos recursos e dos equipamentos de informática que são fundamentais no seu desenvolvimento.

 

 O CONTROLE DO AMBIENTE DE INFORMÁTICA

Núcleo Avançado de Educação do Senac Minas - ABRH/MG

Núcleo Avançado de Educação do Senac Minas - ABRH/MG

Para possibilitar que o enfrentamento autônomo dos desafios e possibilitar a coordenação do grupo por um único docente, foi necessário controlar o ambiente de informática. A exploração livre dos inumeráveis recursos do computador pode resultar em uma navegação errática e inútil para efeito de aprendizagem. A complexidade pode tolher a busca e a iniciativa.

Para evitar esses efeitos, o software controla o sistema operacional. Ele reduz as possibilidades de navegação às que são úteis no enfrentamento dos desafios de cada sessão ou etapa.

Inicialmente, o ambiente de aprendizagem, no computador, é altamente controlado. Na medida em que as sessões de aprendizagem vão se sucedendo ele vai sendo liberado. Ao final, o controle é exercido apenas como forma de manter acesso ao ambiente inicialmente criado, às pastas de arquivos do Projeto e às pastas de arquivos criadas pelos participantes no momento inicial.

 

 Se você estiver interessado, clique nos links para ver a Amostra I ou a Amostra II de Sessão de Aprendizagem do Projeto Letramento Digital

 

 
%d blogueiros gostam disto: