Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

Um novo professor para um novo mundo 19 de março de 2012

O vídeo que postamos a seguir é sobre o Curso de Pós-graduação em Docência da Educação Profissional. O vídeo foi produzido pelo Departamento de Nacional do SENAC que também desenvolveu o curso. O curso de especialização é desenvolvido a distância. A Germinal Consultoria apoiou o desenvolvimento do projeto pedagógico e demais etapas de elaboração do curso. Atualmente, o curso atende aos professores de todos os Departamentos Regionais do SENAC. Uma versão destinada a todos os professores de educação profissional interessados está sendo desenvolvida.

No site do CINTEFOR, o vídeo pode ser visto com legendas em espanhol e inglês. Para acessar clique em: http://www.oitcinterfor.org/videos/new-teacher-new-world-senac-brazil ou em http://www.oitcinterfor.org/videos/nuevo-profesor-mundo-nuevo-senac-brasil.

 

 

Dinâmica: Circuito dos Cantos 17 de outubro de 2011

Apresentação

Esta é uma dinâmica proposta a um grupo de professores de educação profissional, dentro de um programa de formação continuada desses docentes. A dinâmica, usada já no começo do curso, objetiva dar início a um processo de desenvolvimento da capacidade de elaborar planejamentos de ensino-aprendizagem com foco no desenvolvimento de competências.

I. Introdução

Em um cartaz, que será colocado no centro da sala, é apresentada uma competência a ser desenvolvida

Em cartazes colocados em cada um dos cantos da sala estão escritas as tarefas. Para o desenvolvimento da competência, prever: (1) Ações; (2) Conhecimentos, Habilidades e Atitudes/ Bases tecnológicas / Eixos Temáticos (3) Situações de aprendizagem / Atividades / Estratégias de aprendizagem; (4) Avaliação / Indicadores de avaliação / Indicadores de desempenho.

A turma é dividida em quatro grupos. Os grupos devem se formar por afinidades percebidas na criação do poema, que foi elaborado pelo grupo já na primeira hora do curso. Cada grupo deve se dirigir para um canto. O coordenador apresenta o cartaz em que a competência está escrita. Uma vez lançado o desafio, o cartaz é colocado no centro da sala.

II. Primeiro movimento: “Tempestade de idéias” 

Cada participante deve, sem censura, produzir o maior número possível de idéias que resolvam o problema implicado no desafio. Durante 15 minutos, os integrantes do grupo, usando tarjetas, devem indicar as condições necessárias para o desenvolvimento da competência, de acordo com o tema de cada grupo. As tarjetas devem ser fixadas nos cantos. Música para o início e depois para o fundo: Bach: Chorus 1 – Saint Matthew Passion – BWV 244.

III. Segundo Movimento: Análise.

Os grupos mudam de canto (caminhando para a esquerda). O coordenador distribui a poesia “Ou isto ou aquilo”, de Cecília Meireles, para ser lida por todos, sob a forma de jogral. Cada verso poderá ser lido por um grupo. O quinto verso de cada série pode ser lido por todos. Após a leitura, os grupos trabalham sobre as sugestões que foram registradas em tarjetas pelos participantes do grupo que ocupou aquele canto anteriormente. O coordenador pede que selecionem as situações de aprendizagem organizando-as em três colunas, logo abaixo de três tarjetas onde está escrito: AS REPETIDAS, AS ADEQUADAS, AS INADEQUADAS[1]. Música de fundo: Outono (Vivaldi)

IV. Terceiro movimento: Classificação/ordenação

Os grupos mudam novamente de canto e no mesmo sentido da mudança anterior. O coordenador projeta o vídeo “Aprendre a Aprendre”. Após a apresentação do vídeo, sem discutí-lo, os grupos trabalharão sobre a coluna AS ADEQUADAS, organizada pelo grupo que anteriormente ocupou aquele canto. O grupo organizará as situações de aprendizagem da coluna AS ADEQUADAS segundo uma ordem por ele definida: pode ser da mais adequada, colocada no alto da coluna, para a menos adequada ou, então, em uma ordem de desenvolvimento (para as Ações, por exemplo). Música de fundo: Adagieto da Sinfonia Nº 5 de Mahler.

V. Quarto movimento: Avaliação e Transformação.

Os grupos voltam a mudar de canto, no mesmo sentido. Os participantes ouvem, antes de iniciarem o trabalho, a música Ciranda da Bailarina, cuja letra é distribuída previamente para os participantes, cada grupo vai avaliar o painel resultante das intervenções dos grupos que anteriormente passaram por aquele canto. De acordo com a avaliação, os grupos alteram o painel, mexendo em todas as colunas e tarjetas que considerem impropriamente colocadas. Terminadas a avaliação e a reformulação, ainda nos cantos, os grupos apresentam , em 5 minutos, as suas conclusões para os demais. Música de Fundo: Lacrimosa de Mozart.

VI. Quinto movimento: Contraposição

Os grupos mudam novamente de canto, ainda no mesmo sentido. Com este movimento, cada grupo retorna ao seu ponto de origem. O coordenador apresenta e discute rapidamente uma transparência sobre o trabalho por competências. Baseados na discussão da transparência, em 10 minutos, cada grupo verifica e critica o resultado do trabalho dos demais grupos sobre a sua produção inicial de idéias e anota sugestões de mudanças. Em painel, cada grupo apresenta suas sugestões de mudança, negociando-as com os demais grupos. Nesse momento, além do grupo que está expondo, todos poderão contribuir com intervenções para crítica e enriquecimento.



.

 

Pós-graduação em Docência para a Educação Profissional do Senac inicia novas turmas 11 de outubro de 2011

O site do Senac do Paraná veicula a seguinte notícia sobre o Pós-graduação em Docência para  Educação Profissional:

Mais uma leva de instrutores, diretores e profissionais da educação do Senac irá ingressar na Pós-graduação em Docência para a Educação Profissional, via educação a distância. A aula inaugural das duas novas turmas, que somam 57 participantes de diversas escolas do Estado, aconteceu nesta manhã (03), no Centro de Educação Profissional (CEP) do Senac em Curitiba.

O evento contou com a presença do presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac, Darci Piana; do diretor regional do Senac Paraná, Vitor Monastier; do diretor de Educação Profissional e Tecnologia, Ito Vieira; do diretor administrativo-financeiro, Edmundo Knaut; da diretora do CEP de Curitiba, Daniela de Oliveira; da coordenadora de Educação do Senac Paraná, Carina Bárbara Ribas de Oliveira Bechert; e da coordenadora de Educação a Distância, Denyze Cristina Lorenzon Ruckl.

“Com este curso de especialização teremos um Senac homogêneo, com qualidade permanente e igual em todas as escolas do Estado. Estamos investindo na continuidade do processo de qualificação da nossa gente”, afirmou Darci Piana. O dirigente citou o grande trabalho que a instituição tem pela frente, a partir do lançamento do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que tem como meta oferecer 8 milhões de vagas, até 2014, na educação profissional para estudantes do ensino médio e trabalhadores que necessitam de qualificação. Entre as medidas, o programa prevê o aumento das vagas gratuitas em cursos do Sistema S. “Todas as nossas horas serão dirigidas para ajudar a melhorar a educação em nosso País”, completou.

Para o diretor administrativo-financeiro do Senac Paraná, Edmundo Knaut, o Governo Federal tem reconhecido o trabalho das entidades do Sistema S, como o Senac, na qualificação profissional da população. “Toda a vez em que se fala em apagão de mão de obra, o Governo lembra das entidades do Sistema S e firma convênios, a exemplo do Programa Senac de Gratuidade (PSG)”, avalia o diretor.

Projeto estratégico da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) para ampliar a qualidade da educação oferecida pelo Senac em todo o País, a pós-graduação em Docência para a Educação Profissional teve início em outubro de 2010, em 21 regionais. O curso mobilizará, em três anos, todos os docentes que integram o quadro da instituição, somando mais de sete mil profissionais. No ano passado, o Paraná inscreveu 96 participantes, divididos em quatro turmas.

“Estamos vivenciando um novo tempo que é a busca permanente em recriar, reinventar. Esta especialização vai permitir aos instrutores e demais profissionais da educação do Senac promover o autodesenvolvimento, selecionar as competências, os conhecimentos prioritários para suas carreiras e vidas, evitar erros recorrentes e a inovar”, afirma Ito Vieira.

A Germinal prestou consultoria ao Departamento Nacional do Senac na elaboração do Projeto Pedagógico do Curso de Especialização em Docência para a Educação Profissional, que atendeu a 1500 profissionais do Senac de todos os estados brasileiros, em sua primeira edição.

 

Curso de Especialização (Pós-graduação lato sensu) em Docência da Educação Profissional 30 de outubro de 2010

O site do SENAC Nacional, em 22/10/ 2010, publicou a notícia a seguir sobre o curso de especialização em Docência da Educação Profissional. A Germinal Consultoria prestou  serviços ao SENAC no desenvolvimento do projeto pedagógico do curso.


Competências para ensinar e aprender

As transformações vividas pelo mundo do trabalho nas últimas décadas afetaram a educação em todos os aspectos, exigindo dos profissionais atualização e uma nova forma de qualificação. Atento a isso, o Senac iniciou, em outubro, a primeira turma do curso de especialização em Docência para a Educação Profissional, pós-graduação a distância lato sensuoferecida exclusivamente ao corpo docente da Instituição, com reconhecimento do MEC. Possibilitada pela tecnologia e pela capilaridade das unidades do Senac espalhadas por todo o Brasil, o curso, oferecido pela Rede EAD, tem carga de 470 horas, distribuídas em 14 meses.

As aulas inaugurais das 54 primeiras turmas – que reúnem 1.500 alunos – aconteceram nas primeiras semanas de outubro por todo o Brasil. O plano é oferecer, até 2012, esse aperfeiçoamento aos cerca de 7.500 docentes com curso superior que atualmente trabalham na Instituição. Segundo Maria Teresa Nori, que coordena as turmas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, os alunos “se animaram com o curso e ficaram admirados com a iniciativa do Senac de investir no desenvolvimento das competências docentes”.

O curso tem como objetivo sistematizar o saber, melhorando a elaboração, operação dos currículos e dos processos avaliativos, aprimorando, assim, a qualidade oferecida pela Instituição. Para Cícera Paiva, diretora técnica do Senac Alagoas, “esse será mais um diferencial dos instrutores Senac para a educação profissional do estado”. A instrutora e agora aluna Claudia Rosita de Lima, de Recife, a oportunidade é única: “Grande é a minha expectativa em me ver fazendo parte de um curso tão importante para minha vida profissional. Estou muito feliz em fazer parte do primeiro grupo. Estamos fazendo história no Senac”.

Segundo a coordenadora do curso no Maranhão, Alda Baldez, todos demonstraram estar ansiosos pelo início da nova proposta: “As expectativas destacadas pelo grupo estão na melhoria da qualidade das ações educativas desenvolvidas a partir da valorização dos saberes que eles já detêm”.

Daniela Papelbaum, Lucia Prado e Solange Luçan, técnicas do Centro de Educação a Distância do Senac Nacional e responsáveis pelo desenvolvimento do conteúdo do curso – com a ajuda do consultor José Antonio Küller –, reafirmam que o objetivo é aprimorar as competências dos que lidam diretamente com a missão de educar para o mundo do trabalho. Para elas, é muito importante fortalecer nos docentes o compromisso de formar profissionais que estejam em sintonia com o mercado e, ao mesmo tempo, capazes de ter uma atitude reflexiva sobre a área e a atividade produtiva na qual pretendem atuar.

“A proposta pedagógica do curso toma como referência a prática de nossos docentes em sala. Não propõe formas de condução de aulas ou de situações de ensino, mas o desenho de aprendizagem”, diz Lucia. A proposta acompanha a mudança de paradigma que representa o papel atual do professor que, se antes priorizava a transmissão de conteúdos, hoje pressupõe a construção do conhecimento e o desenvolvimento de competências.

Comunidades virtuais

Com essa diretriz, o curso foi estruturado a partir de três eixos. Pesquisa e Produção é totalmente online, tem 210 horas de duração e propicia um contato com o ambiente virtual de aprendizagem. O eixo Experimentação, que tem carga de 140 horas, está organizado em quatro laboratórios de prática, realizados no ambiente de aprendizagem no qual o participante atua, como a sala de aula. Já o de Cooperação e Sistematização fortalece ainda mais a questão da troca de experiências e de saberes. Nele, há uma proposta nova – a comunidade virtual de prática, que permite a todos os participantes estabelecer uma discussão online. Além disso, como a comunidade ocorre paralelamente aos laboratórios, possibilita ainda mais a troca de ideias e experiências sobre a prática de sala de aula.

A comunidade virtual entrará no ar em novembro para ambientação e, de maneira definitiva, em janeiro, exclusivamente para os alunos da primeira turma. À medida que o curso for formando novas turmas, mais instrutores serão convidados a integrar o espaço. A intenção ao desenvolver a comunidade virtual de prática no curso é perpetuar os efeitos do curso após seu término. O objetivo é incentivar os docentes a dar continuidade ao trabalho colaborativo, a compartilhar boas práticas e conhecimentos relativos à docência e a publicar materiais interessantes, em uma perspectiva de educação continuada.

Para Léa Viveiro de Castro, diretora de Educação Profissional do Senac Nacional, essa forma de organização, desenhada especialmente para o curso, atende aos propósitos de oferecer aos docentes do Senac, que já conhecem e aplicam a proposta pedagógica da Instituição, uma oportunidade de aprimorar suas ações: “E isso só seria possível se os professores partissem de uma reflexão sobre a prática em sala de aula e pudessem, com os demais participantes, ampliar e aperfeiçoar seu trabalho”.

 

Sobre os fins da educação: uma resposta 22 de outubro de 2010

Meu amigo Jarbas Novelino Barato, em seu Boteco Escola, em um post denominado Fins da Educação, me provocou. Fez uma crítica aos educadores que aderiram à chamada Pedagogia das Competências. Eu estou entre eles, segundo Jarbas.

A parte mais incisiva da crítica diz:

O movimento das competências volta-se para o mercado ou, quando mais ampliado, para a sociedade. Mas, não cuida de aspectos essenciais de como formar seres humanos melhores, mais felizes, mais capazes de fruirem cultura e arte. Ou seja, a pedagogia das competências tem um horizonte dominado por interesses da eficiência social. Com ela, a educação humanista, preocupada com formação cultural justificada por seus próprios méritos, fica esquecida ou secundarizada.

Sem questionar a minha discutível inclusão entre os que “embarcaram na pedagogia das competências“, nos comentários ao post, respondi:

Como fui provocado nominalmente cabe uma pronta resposta, embora incompleta.

A sua crítica tem uma fragilidade básica: a falta de uma definição do conceito de competência. Como o termo é polissêmico, cada um o usa de acordo com suas convicções.

No meu caso, por exemplo, o uso do conceito permite que eu afirme como competências os seguintes enunciados:

Apreciar uma obra de arte.
Elaborar uma crítica musical.
Definir e perseguir um projeto de vida.
Definir e observar um código de ética.

Veja que, asssim, parte da crítica esvanece. Ou, não? Bem, acho que a continuidade da discussão fica para aquele simpósio que aguardamos com ansiedade.


No entanto, faltou dizer que outra abordagem é possível mesmo na educação profissional, onde o risco de orientação para o mercado e para a eficiência social é maior. Na página Uma introdução a um projeto para a formação continuada de docentes, que acabamos de postar, essa posibilidade de abordagem alternativa é demonstrada. Clique aqui para acessar a página.

 

Padrões de Competência em TIC para Professores 3 de agosto de 2009

 

O site da UNESCO divulga e disponibiliza publicações para o planejamento de programas e para a formação de professores para o  desenvolvimento de competências em tecnologia da informação e comunicação (TIC). Com ilustração por nós inserida, reproduzimos um excerto da notícia:

 

Brasília, 31/7/2009 – A UNESCO no Brasil lança nesta terça-feira, 4 de agosto, na sede da Organização, em Brasília, a versão em português da coleção Padrões de Competência em TIC para Professores (ICT-CST). Formada por três brochuras, a publicação, que será apresentada a autoridades e especialistas em educação, reúne diretrizes específicas para o planejamento de programas educacionais e treinamento de professores para a formação de alunos com habilidades em tecnologia.

 

As brochuras são uma iniciativa do Projeto Padrões de Competência em TIC para Professores, da UNESCO. Segundo ele, as práticas educacionais tradicionais já não oferecem aos professores as habilidades necessárias para capacitar os alunos a sobreviverem no atual mercado de trabalho. Por esse motivo, e considerando o papel primordial que exercem na transferência do conhecimento, professores em atividade precisam adquirir competência que lhes permitam oferecer aos alunos oportunidades de aprendizagem com apoio da tecnologia.

 

Para ler a notícia completa, clique aqui.

Para saber mais, clique aqui.

Para acesso à coleção, clique aqui.


Technorati : , , , , , ,
Del.icio.us : , , , , , ,
Ice Rocket : , , , , , ,

Powered by Zoundry

 

Formação de Formadores 8 de abril de 2009

  

1. PRESENTACIÓN

Este Plan fue elaborado para servir como guía referencial y material de apoyo al coordinador (facilitador, mediador, instructor) del Curso de Formación de Formadores, que es uno de los componentes del proyecto denominado “Sistema de Certificación de Competencias Laborales en el Sector Turismo”, que se encuentra llevando adelante la Federación Nacional de Cámaras Provinciales de Turismo (FENACAPTUR) con el apoyo del Banco Interamericano de Desarrollo (BID). El curso procura formar profesionales capaces de operar con las normas que se diseñen para el efecto dentro del Sistema de Certificación.

 

La formación de los formadores estimula y prepara para la utilización (en acciones educativas) las Normas Nacionales, las Orientaciones de Aprendizaje y el Proceso de Evaluación y Certificación de las ocupaciones desarrolladas por el Programa de Certificación.

 

El curso está destinado tanto a los formadores en el local de trabajo (en las empresas) como en el medio educacional (en las universidades o institutos técnicos o tecnológicos) del Ecuador y es compatible con las normas nacionales definidas en el Sistema de Certificación, así como con las orientaciones de aprendizaje de cada una de las ocupaciones desarrolladas.

 

 

O texto anterior é o capítulo de apresentação de um Plano de Curso para a formação de formadores para o Sistema de Certificação de Competências Profissionais no Setor de Turismo, do Equador. O plano foi desenvolvido com o apoio da Germinal Consultoria, que também assessorou a elaboração das Orientações de Aprendizagem para praticamente todas as principais ocupaçõe ligadas aos setores de Alimentos e Bebidas, Hospedagem e Operações Turísticas.

 

A íntegra do Plano de Formação de Formadores  pode ser conhecida acessando o seguinte  link: http://www.scribd.com/doc/13721771/PLAN-DE-CURSO-DE-FORMACION-DE-FORMADORES-Quito

 

 
%d blogueiros gostam disto: