Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

CNI lança projeto para melhorar qualificação de trabalhadores 31 de outubro de 2013

Filed under: Educação para o Trabalho — José Antonio Küller @ 11:45 am

YARA AQUINO – AGÊNCIA BRASIL – 31/10/2013 – BRASÍLIA, DF

A falta de qualificação no mercado de trabalho é uma preocupação do setor industrial. Entre os trabalhadores que estão empregados na indústria, 5,6 milhões não têm o ensino médio, de acordo com dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na busca de ampliar a capacitação, a CNI lançou hoje (30) o projeto Educação para o Mundo de Trabalho.

O projeto tem a meta de qualificar quem está prestes a ingressar no mercado de trabalho, como os jovens do ensino médio, os trabalhadores da indústria e também pessoas entre 18 e 24 anos que não estudam e não trabalham. Entre as ações estão a de disseminar informações para a orientação profissional dos jovens, elevar o nível de escolaridade e ampliar o conhecimento de inglês e português dos trabalhadores da indústria e desenvolver cursos presenciais e à distância.

A mobilização para a construção do plano foi iniciada em agosto deste ano e as federações das indústrias de todos os estados encaminharam sugestões. As ações do projeto serão desenvolvidas ao longo de 2014.

O empresário Jorge Gerdau, um dos convidados do evento, disse que a deficiência dos jovens chegarem despreparados ao mercado de trabalho começa na educação básica. “Temos que melhorar a educação básica para melhorar a educação para o trabalho. Para atingir essa educação para o trabalho precisamos, não apenas da educação técnica, mas também envolver as pessoas em um patamar de cidadania”, disse.

Uma das metas do Educação para o Mundo de Trabalho é envolver empresários, pais, estudantes e professores na busca de melhorar a educação no país

 

Programa Educação para o Trabalho: Novas Conexões 10 de setembro de 2010

O site do Senac São Paulo veicula as seguintes informações sobre o Programa Educação para o Trabalho – Novas Conexões:


header image

O que é?
Trata-se uma tecnologia social desenvolvida para contribuir com a inclusão de jovens socialmente desfavorecidos, por meio do desenvolvimento de competências que ampliem as possibilidades de inserção no mundo do trabalho, geração de renda e participação na sociedade.


Suas estratégias fundamentais são a criação de um blog, a construção de um plano de desenvolvimento profissional ou de negócios e o desenvolvimento de um plano de ação na comunidade, visando a conectividade, a formação integral do aluno, a participação em sua comunidade e a inclusão social.

Fundamenta-se ainda na tecnologia para aquisição de uma cultura livre e globalizada, na participação social e política, na metodologia de redes – como forma de conexão do jovem com o mundo –, no pensamento sistêmico e na construção de uma cultura empreendedora, possibilitando oportunidades de realizações e, consequentemente, o desenvolvimento do capital humano e a geração de renda.

Histórico
Em 1996, o Senac São Paulo, preocupado com a inclusão de jovens e as reduzidas possibilidades de ingresso e permanência no mundo do trabalho, desenvolveu como uma de suas ações sociais, o Programa Educação para o Trabalho. Essa ação educacional logo passou a ser adotada por outras empresas e organizações parceiras, também mobilizadas para contribuir com o futuro dos jovens de suas comunidades.

Mais do que o desenvolvimento de competências técnicas específicas, o Programa dedica-se a trabalhar nos participantes as competências básicas e gerais para o mundo do trabalho e para a formação do cidadão. Ao longo de sua existência, o Senac sempre primou pela constante busca da inovação tecnológica e educacional, procurando acompanhar e trazer para os seus programas as tendências do mundo do trabalho e da sociedade, assim como as necessidades e inquietações dos jovens.

Em sua 3ª edição, realizada em 2008, o Programa recebeu em seu título o complemento “Novas Conexões”, considerando as tendências atuais e futuras que apontam para uma nova forma de conviver e se relacionar diante do mundo globalizado.


Resultados
O Programa já capacitou mais de 40 mil alunos e, atualmente, é desenvolvido em diversas regiões do Estado de São Paulo, englobando cerca de 53 municípios. A meta para 2009 é atender 4.500 jovens.

Em pesquisa publicada em junho de 2008, constatou-se que, após um ano de conclusão do curso, 57% dos jovens estão trabalhando; 76,9% deles assalariados com carteira assinada, 64% há mais de 6 meses no mesmo emprego, 49% no comércio e 37,4% em empresas de grande porte.

Estes dados indicam que o Programa obtém, entre as alternativas similares, um dos mais altos índices de inserção de jovens no mundo do trabalho, sendo avaliado positivamente por todos os públicos envolvidos.


As fotos publicadas aqui foram extraídas de alguns blogs dentre as centenas de blogs oriundos no Programa Educação Para o Trabalho – Novas Conexões disponíveis na Internet. Para mais informações sobre o Progama, clique aqui.


A GERMINAL participou da concepção do Núcleo Central do PET original e da capacitação de todos os docentes (cerca de 1.000) envolvidos na implementação das 100 turmas iniciais do Programa. Desenvolveu também uma versão alternativa ao Plano de Curso original do Programa, o manual do Núcleo Central e todos os manuais das Estações de Trabalho dessa versão alternativa. Tal versão, por um conjunto de circunstâncias, acabou não sendo implementada, pelo menos em sua totalidade.

Em outros posts, pubicamos excertos dessa versão alternativa. Os excertos devem ser encarados como amostras do trabalho que pode ser desenvolvido pela Germinal.  A versão alternativa é composta por um Núcleo Central e por Estações de Trabalho destinadas ao tratamento de áreas específicas do Setor de Comércio e Serviços. Dela já publicamos os seguintes excertos:

Amostra I: Exemplo de uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Administração

Amostra  II: Exemplo de mais uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Estética de Ambientes)

Amostra III: Exemplo de outra Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Saúde)

 

Cursos técnicos e tecnológicos surgem como opção para solucionar o apagão de mão-de-obra 12 de agosto de 2010

Artigo publicado no UOL Educação veicula informações muito interessantes sobre a evolução da educação profissional no Brasil. Além do crescimento expressivo da modalidade, os números apontam para o impacto dos cursos no rendimento do trabalhador. A seguir postamos excertos do texto, que pode ser lido em sua integra no UOL.  As fotos foram incluídas por nós.

Por Elisa Estronioli

(…)

Uma pesquisa do economista Marcelo Neri, na Fundação Getúlio Vargas, ilustra a expansão com números: em março de 2004, 12,56% da população em idade ativa das seis principais metrópoles haviam concluído os cursos profissionalizantes; em março de 2010, esse número era de 22,05% – um crescimento de 75,6%.


De acordo com o estudo, publicado no primeiro semestre deste ano, 29 milhões de pessoas frequentam cursos de educação profissional, o que representa 19,72% da população com mais de 10 anos de idade do Brasil. Desse total, 16,07 % (23,5 milhões de pessoas) frequentaram cursos de qualificação profissional, 3,54% (5,1 milhões) fizeram ensino médio técnico e 0,11% (160 mil) tiveram formação tecnológica.

(…)

De acordo com o estudo de Neri, os salários aumentam significativamente após a conclusão de cursos de educação profissional: chega a ser 27% maior com a formação de tecnólogo (curso superior de três anos) e a 17% com o ensino médio profissionalizante.

O setor com maior proporção de funcionários com formação profissionalizante é o automobilístico (45,71%), seguido pelo de finanças (38,17%) e de petróleo e gás (37,34%).

 

Governo e Senac São Paulo ampliam parceria que qualifica jovens para o trabalho 30 de junho de 2010

 

 

O Governo, por meio da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social (Seads), e o Senac São Paulo apresentarão nesta terça-feira, 1º, a iniciativa que capacitará, inicialmente, 2.088 integrantes do programa de transferência de renda Ação Jovem.

 

A solenidade, que tem o objetivo de convidar empresas a integrarem a parceria, será realizada no Auditório Nobre do Senac Consolação. Estarão presentes o secretário de Assistência e Desenvolvimento Social Luiz Carlos Delben Leite e o conselheiro do Senac São Paulo Marco Aurélio Sprovieri Rodrigues.

 

A proposta já contempla a capacitação de participantes do Ação Jovem em 36 municípios paulistas, permitindo que os beneficiários selecionados realizem gratuitamente o Programa Educação para o Trabalho – Novas Conexões do Senac São Paulo. Durante os seis meses do curso de qualificação profissional, os jovens serão preparados para desenvolver atitudes empreendedoras e atuar em diversas áreas, como o setor de comércio, serviços e indústria.

  

O Governo de São Paulo e o Senac ampliarão as possibilidades que a parceria oferece, convidando empresas a apoiarem a iniciativa de diversas formas: financiando turmas de 30 participantes, contratando jovens capacitados pelo programa, patrocinando instituições sociais interessadas na realização do curso em sua comunidade, abrindo as portas para visitas orientadas, entre outras.

Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo
Data: 29/06/2010

 

 

 O Programa de Educação para o Trabalho (PET) foi desenvolvido pelo SENAC/SP e implementado, na sua forma atual, em 1996. É “voltado ao desenvolvimento de jovens, especialmente daqueles com limitadas oportunidades de acesso aos bens tecnológicos que possibilitam a apropriação do conhecimento, o domínio de competências, bem como de contato e convívio com padrões estéticos requisitados por um mercado de trabalho exigente e seletivo, inflexível a justificativas de natureza sociopolítica” (José Luiz Gaeta Paixão.Introdução do Programa de Educação para o Trabalho. São Paulo, SENAC, 1996).

A GERMINAL participou da concepção do Núcleo Central do PET e da capacitação de todos os docentes (cerca de 1.000) envolvidos na implementação das 100 turmasinicial do Programa. Desenvolveu também uma versão alternativa ao Plano de Curso original do Programa, o manual do Núcleo Central e todos os manuais das Estações de Trabalho dessa versão alternativa. Tal versão, por um conjunto de circunstâncias, acabou não sendo implementada, pelo menos em sua totalidade.

Em outros posts, pubicamos excertos dessa versão alternativa. Os excertos devem ser encarados como amostras do trabalho que pode ser desenvolvido pela Germinal.  A versão alternativa é composta por um Núcleo Central e por Estações de Trabalho destinadas ao tratamento de áreas específicas do Setor de Comércio e Serviços. Dela já publicamos os seguintes excertos:

Amostra I: Exemplo de uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Administração

Amostra  II: Exemplo de mais uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Estética de Ambientes)

Amostra III: Exemplo de outra Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Saúde)

 
 

Instituto Marca Brasil assume a gestão do Trilha Jovem 8 de fevereiro de 2010

 

Notícia do Jornal Feira Hoje, de Feira de Santana (Ba), em 5/02/2010, informa que o Instituto Marca Brasil, a partir de uma parceria estratégica com o Instituto de Hospitalidade (IH), assume a coordenação nacional do Projeto Trilha Jovem.

O objetivo da parceria é a união dos acervos técnicos e das competências de cada uma das entidades, com ações voltadas para colaborar com uma sociedade mais dinâmica e pró-ativa no Brasil, apoiando projetos que tem como objeto a geração de renda, qualificação profissional e desenvolvimento de comunidades do País por meio do turismo de qualidade que promove a sustentabilidade”, informa o Jornal. 

Em relação ao Trilha Jovem, o Jornal acrescenta que o projeto “foi considerado referência mundial pela International Youth Fundation, pelo BID-FUMIN (Fundo Multilateral de Investimentos do Banco Interamericano de Desenvolvimento), e classificado pelo “Programa Voluntários” da Organização das Nações Unidas entre as 50 melhores práticas brasileiras de desenvolvimento, pela sua comprovada convergência com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.”

 

Projeto Trilha Jovem nasceu de uma proposta curricular desenvolvida, em 2001, pela Germinal Consultoria para o Instituto de Hospitalidade (IH), de Salvador, na Bahia.

 Essa primeira versão foi alterada pelo IH nas primeiras implementações, em 2004. Depois, em 2006, a versão original e a inicialmente implementada foram fundidas na versão atual, que ganhou dimensão nacional. A Germinal contribuiu nesse trabalho.

 A partir da crítica, sistematização, reformulação e ampliação dos planos de aula utilizados nas primeiras implementações, a Germinal criou também as Referências para a Ação Docente (Eixos I, II e III), que são manuais que apresentam sugestão, passo a passo, de desenvolvimento de todas as unidades curriculares do Projeto. As Referências para a Ação Docente facilitam e são fundamentais na manutenção da qualidade  da expansão nacional do Projeto.

Hoje o Projeto está implantado em 10 destinos turísticos de 10 Estados Brasileiros, incluindo: Sâo Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife,  Foz do Iguaçu. Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília, Natal e São Luiz.

 

Programa de educação para o Trabalho 2008 17 de novembro de 2008

O vídeo postado abaixo foi originalmante publicado no bolg da turma de 2008 do Programa Educação para o Trabalho (PET), realizada no campus do Centro Universitário do SENAC em Águas de São Pedro: http://educacaoeaprendizagem.com.br/blogs/captt2008

 

 

O Programa de Educação para o Trabalho (PET) foi desenvolvido pelo SENAC/SP e implementado, na sua forma atual, em 1996. É “voltado ao desenvolvimento de jovens, especialmente daqueles com limitadas oportunidades de acesso aos bens tecnológicos que possibilitam a apropriação do conhecimento, o domínio de competências, bem como de contato e convívio com padrões estéticos requisitados por um mercado de trabalho exigente e seletivo, inflexível a justificativas de natureza sociopolítica” (José Luiz Gaeta Paixão. Introdução do Programa de Educação para o Trabalho. São Paulo, SENAC, 1996).

 

O SENAC desenvolve o Programa de Educação para o Trabalho há cerca de 10 anos. O projeto teve origem após a constatação das dificuldades que jovens tinham em ingressar e permanecer no mundo do trabalho. Até agora, o Programa atendeu mais de 100 mil garotas e rapazes.

 

A GERMINAL participou da concepção do Núcleo Central do PET e da capacitação de todos os docentes (cerca de 1.000) envolvidos na implementação inicial do Programa. Desenvolveu também uma versão alternativa ao Plano de Curso original do Programa, o manual do Núcleo Central e todos os manuais das Estações de Trabalho dessa versão alternativa. Tal versão, por um conjunto de circunstâncias, acabou não sendo implementada, pelo menos em sua totalidade.

 

Em outros posts, pubicamos excertos dessa versão alternativa. Os excertos devem ser encarados como amostras do trabalho que pode ser desenvolvido pela Germinal.  A versão alternativa é composta por um Núcleo Central e por Estações de Trabalho destinadas ao tratamento de áreas específicas do Setor de Comércio e Serviços. Dela já publicamos os seguintes excertos:

  • Estrutura e Objetivos para a Versão Alternativa (extraída do Manual do Núcleo Central)
  • Amostra I: Exemplo de uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Administração
  • Amostra  II: Exemplo de mais uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Estética de Ambientes)
  • Amostra III: Exemplo de outra Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Saúde) 
 

Programa Educação para o Trabalho – PET 29 de junho de 2008

 

O Programa de Educação para o Trabalho (PET) foi desenvolvido pelo SENAC/ SP e implementado, na sua forma atual, em 1996. É “voltado ao desenvolvimento de jovens, especialmente daqueles com limitadas oportunidades de acesso aos bens tecnológicos que possibilitam a apropriação do conhecimento, o domínio de competências, bem como de contato e convívio com padrões estéticos requisitados por um mercado de trabalho exigente e seletivo, inflexível a justificativas de natureza sociopolítica” (José Luiz Gaeta Paixão. Introdução do Programa de Educação para o Trabalho. São Paulo, SENAC, 1996).

 

Sucesso em resultados e parcerias, o Programa Educação para o Trabalho (PET), até 2002, tinha capacitado mais de 20.000 jovens de baixa renda para a inserção no mercado de trabalho. Em 1999, O SENAC já tinha  recebido, da Câmara Americana do Comércio, o Prêmio Eco 99 na categoria Especial do Júri, pela realização do Programa Educação para o Trabalho, em prol da cidadania.

 

GERMINAL participou da concepção do Núcleo Central do PET e da capacitação de todos os docentes (cerca de 1.000) envolvidos na implementação inicial do Programa. Desenvolveu também uma versão alternativa ao Plano de Curso original do Programa, o manual do Núcleo Central e todos os manuais das Estações de Trabalho dessa versão alternativa. Tal versão, por um conjunto de circunstâncias, acabou não sendo implementada, pelo menos em sua totalidade.

 

Ainda em 2008, o Programa Educação para o Trabalho continua a ser  implementado. No site do SENAC SP você pode encontrar mais informações sobre o Programa e sobre a forma como hoje ele continua a ser desenvolvido.

 

Na Internet existem inúmeras páginas que fazem referência ao PET. Os links a seguir dão acesso a alguns exemplos.  Observe-se que as fotos, são outras formas de acesso a links que falam do Programa. Embora pertinentes ao PET,  não se referem e não foram necessariamente publicadas junto aos textos.

 

Compostagem - Programa Educação para o Trabalho - São Carlos

Compostagem - Programa Educação para o Trabalho - São Carlos

1. Gilberto Dimenstain, na Folha de São Paulo, informa: “O Programa Educação para o Trabalho (PET) do Senac nasceu em 1996 a partir de uma pesquisa para verificar as reais necessidades do jovem ao entrar no mercado de trabalho. “Com isso, pudemos formatar o programa para incluir as competências básicas para o mercado, como relações interpessoais, auto estima e autonomia,” relata Maria Tânia Bueno, coordenadora do programa para o Estado de São Paulo.

Durante seis meses, adolescentes de baixa renda entre 14 e 18 anos, aprendem a cuidar da saúde, da aparência pessoal, recebem noções de alimentação, informática, transações comerciais, atendimento ao cliente, simulam um processo seletivo e passam dez dias vivenciando situações de trabalho em empresas de verdade. Desde 1997 o programa já formou 14 mil jovens, a um custo, bancado pelo Senac e empresas parceiras, de R$ 720 por aluno. Destes, 6.600 estão empregados.”

 

 

Prática do PET em Santa Fé do Sul

2.  No site da Prefeitura de Limeira, está registrado:

“Em Limeira, interior de São Paulo, o Programa Educação Para o Trabalho entrou, recentemente, para o orçamento do município, tornando-se política pública pela primeira vez no Brasil. Desenvolvido pelo Senac de São Paulo desde 1996, o Programa tem por objetivo capacitar adolescentes, visando sua inserção no mundo do trabalho. Durante o curso, os jovens aprendem Informática, conceitos de Saúde, Comunicação, Atendimento ao Cliente, entre outros. Ao final do programa, eles são encaminhados para um rápido estágio em empresas privadas, para que se familiarizem com o ambiente de trabalho. Desde sua implantação, o Programa Educação Para o Trabalho atendeu cerca de 35 mil jovens em todo o Estado. Estima-se que, seis meses após a conclusão do curso, 40% deles consigam ingressar no mercado de trabalho”.

 

 

3. A Tribuna Catarinenese diz:  “A regional de Santa Catarina do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) está desenvolvendo em parceria com as entidades públicas e privadas o Programa de Educação Profissional (PET). A iniciativa consiste na realização de curso preparatório na área comercial voltado aos adolescentes entre 15 e 18 anos com baixa renda, com objetivo de inserção no mercado de trabalho, graças ao patrocínio de empresas e pessoas físicas que fazem a “adoção” de adolescentes.
 
 
4. O Senac São João promove formaturas do Peti e do PET:  Na terça-feira, 4 de abril, o Senac São João da Boa Vista formou sua 16ª turma do Programa de Educação para o Trabalho (PET) e a primeira do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). Ao todo, foram 134 alunos com idades entre 12 e 18 anos. O evento aconteceu na Sociedade Esportiva Sanjoanense, às 19h30, com a presença do prefeito da cidade Nélson Mancini, do gerente do Senac Luiz Afonso Fuganti Jaria, da diretora da Promoção Social Ofélia Chiari, além de outras autoridades e empresários locais.
 
 

5. Mais recentemene o Portal Setor 3  Informa:  “Mais de 120 jovens, de 15 a 24 anos, deram um novo passo rumo a sua vida profissional e ingresso no mercado de trabalho ao concluírem o Programa de Educação para o Trabalho, desenvolvido em São Paulo, numa parceria inédita entre a Coca-Cola Femsa, Senac e Governo do Estado. O programa, que visa desenvolver capacidades empreendedoras nos jovens, contou com cinco turmas que, durante seis meses, participaram de diversas atividades desenvolvidas no Parque Estadual Fontes do Ipiranga, zona Sul da capital paulista. 

O Senac desenvolve o Programa de Educação para o Trabalho há cerca de 10 anos e, de acordo com Sérgio de Oliveira e Silva, técnico de Desenvolvimento Profissional da instituição, o projeto teve origem após a constatação das dificuldades que jovens tinham em ingressar e permanecer no mundo do trabalho. Até agora, a metodologia já foi transmitida para mais de 100 mil meninos e meninas. No momento estão em andamento 72 turmas no Estado de São Paulo e 41 na capital.”

 

Projeto de ecologia - Programa Educação para o Trabalho - São Carlos (SP)

6. Encontra-se também, na internet, blogs editados por alunos e professores do Programa. O blog de São Carlos (SP) por exemplo, informa: “Atento à crescente oferta para os chamados trabalhos inteligentes, o Senac aborda durante as aulas questões como percepção crítica, iniciativa, discernimento e criatividade para a busca e a geração de novas soluções.

 

 

 

 

Amostras de uma versão alternativa do PET

Em outros posts, pubicamos excertos de uma versão alternativa do Programa de Educação para o Trabalho (PET), elaborada pela GERMINAL, que não chegou a ser implementada, pelo menos na forma que é ali apresentada. Os excertos devem ser encarados como amostras do trabalho que pode ser desenvolvido pela Germinal.

A versão alternativa é composta por um Núcleo Central e por Estações de Trabalho destinadas ao tratamento de áreas específicas do Setor de Comércio e Serviços. Dela já publicamos os seguintes excertos:

  • Estrutura e Objetivos para a Versão Alternativa (extraída do Manual do Núcleo Central)
  • Amostra I: Exemplo de uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Administração
  • Amostra  II: Exemplo de mais uma Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Organização e Estética de Ambientes
  • Amostra III: Exemplo de outra Sessão de Aprendizagem (extraído do Manual da Estação de Trabalho de Saúde)  
 

 
%d blogueiros gostam disto: