Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

O PROCESSO DE PROJETO DE ARQUITETURA ESCOLAR NO ESTADO DE SÃO PAULO E AS POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO. 4 de outubro de 2011

 Continuamos a receber de nossos leitores textos sobre as relações entre Arquitetura e Educação. Desta feita, a contribuição veio de Monica Sanches da Academia de Engenharia e Arquitetura. Com o mesmo título deste post, o texto é uma produção conjunta de  Doris Catherine Cornelie Knatz Kowaltowski : Arquiteta, PhD, Prof. do Departamento de Arquitetura e Construção UNICAMP – e-mail:doris@fec.unicamp.br e de Marcella Savioli Deliberador: Arquiteta, Mestre, UNICAMP – e-mail: marcelladeliberador@yahoo.com.br . A seguir, apresentamos o resumo do texto e uma de suas ilustrações:

clip_image004

RESUMO

A qualidade da educação vem sendo constantemente questionada através das avaliações de desempenho aplicadas junto aos alunos das escolas públicas. Observa-se a necessidade de uma atuação multidisciplinar que vislumbre a melhoria da qualidade de ensino de forma geral, o que significa incluir a participação do profissional de arquitetura, responsável pelas definições das características físicas do ambiente escolar. O objetivo desse trabalho é abordar aspectos relativos à qualidade do espaço escolar e das questões inerentes ao processo de projeto das escolas públicas do Estado de São Paulo. A metodologia utilizada envolveu a sistematização das informações disponíveis na literatura relativas à qualidade do espaço escolar com ênfase nas áreas livres. Observou-se que na prática de projeto as relações entre espaços internos e externos são ignoradas, desde o programa de necessidades, onde os ambientes aparecem apenas descritos com relação às suas dimensões físicas. Descreve-se o pátio como um espaço limitado às suas dimensões físicas e não entendido como um conceito ampliado de uso educacional das áreas livres. Esses pátios são áreas que incorporam as atividades de lazer, além das atividades pedagógicas que impliquem na necessidade de espaços externos, dada a ausência da relação desses com os espaços das salas de aula.  A partir do estudo bibliográfico, propôs-se o esquema do processo de projeto de referência. Propôs-se também esquema do processo de projeto da Fundação para o Desenvolvimento Escolar, a partir da metodologia que a Fundação promove. Realizou-se uma pesquisa de campo que fundamentou o desenvolvimento de um terceiro esquema chamado de processo de projeto enriquecido, que incorpora as etapas do processo de referência consideradas possíveis de serem aplicadas na realidade atual da FDE. Esse estudo também demonstrou a pouca discussão existente acerca dos espaços livres, ou mesmo do típico pátio escolar. As implantações das escolas são desenvolvidas enfocando a acomodação dos ambientes do programa dentro dos terrenos exíguos e da promoção de um acesso adequado que traz uma mínima relação urbana ao projeto, dando pouca atenção às relações dos espaços internos e externos.  Faltam atuações direcionadas à qualidade da paisagem e o projeto de espaços de apoio e lazer, que enriqueçam a experiência educacional.

Palavras-chave: arquitetura escolar, parâmetros de projeto e processo de projeto.

O texto completo está publicado em páginas. Ele pode ser acessado através do menu disponível na coluna à direita ou clicando aqui.

 

Mais sobre arquitetura escolar 17 de setembro de 2011

O meu primeiro artigo sobre as relações entre arquitetura e educação: Arquitetura escolar e aprendizagem criativa foi escrito a partir de um comentário em um post de meu amigo Jarbas Novelino Barato, no Boteco Escola.

É o artigo mais acessado do blog. Em função dele, alguns arquitetos têm feito contato comigo e outros têm feito comentários no Germinal – Cultura e Trabalho. Foi o caso de Isabella Carvalho, Arquiteta e Urbanista, Engenheira de Segurança do Trabalho e Mestranda do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil – PPGEC / UFPa. 

Na nossa conversa no blog e por e.mail ela me contou que tinha alguns trabalhos sobre arquitetura e educação ainda não publicados. Mostrei interesse em conhecer e publicar os seus trabalhos. Recebi como resposta:

Bom, quanto ao meu material, possuo um trabalho de conclusao de curso (de 2009), em que faço uma abrangente relaçao entre arquitetura, educação, psicologia e meio ambiente – e a ligação íntima entre todas essas ciências para a contribuição de um espaço escolar de qualidade para a produção dos alunos de educação básica. Enfim, foi um trabalho bem interdisciplinar.

Tambem tenho artigos montados (falando de escolas daqui de Belém, e de outras do Brasil). Mas infelizmente nenhum deles eu publiquei, tenho apenas no meu acervo pessoal. Quem sabe um dia ainda mando para publicações..

Um fala sobre “Arquitetura escolar em Belém: aspectos projetuais e históricos”, com diversas fotos de escolas paraenses que tive a oportunidade de visitar, utilizadas como estudos de caso. Um outro sobre “Linha Histórica da Arquitetura Escolar do Brasil”, em que eu discuto como foi o desenvolvimento projetual de escolas de educação basica ao longo da historia no nosso país. E um terceiro, sobre “Estratégias Projetuais para prédios escolares: sustentabilidade do ambiente construído”, abordando a composição de ambientes com a preocupação com o meio ambiente.

De repente, posso estar disponibilizando a você, se for de interesse. Para postagem, ou para conhecimento.
Tenho um grande acervo também, formando com um ano de pesquisa sobre o assunto, mas o material mais completo mesmo é produto do meu TCC. E no final do trabalho, elaborei um projeto arquitetônico de uma escola de ensino infantil e fundamental (apenas a nivel de trabalho, nao foi executado), para a cidade de Belém

Bem, mantemos contato.

Att.,

Já recebi dois textos de Isabella  para publicação. O primeiro, LINHA HISTÓRICA DA ARQUITETURA ESCOLAR DO BRASILjá está está disponível em páginas. Se você se interessa pelo assunto, clique no link anterior ou aqui.

 

O que faz um colégio ser bom no ENEM? 12 de novembro de 2009

 

Em post anterior, discutindo uma tabela publicada no jornal Folha de São Paulo em: Melhores colégios tem até 50 candidatos por vaga, concluímos  que os colégios são bem colocados porque selecionam os melhores alunos já no início do Ensino Médio. A seleção se faz por meio de exames de admissão e/ou através da condição sócio-econômica dos candidatos. Os colégios são tão bons quanto os alunos que os frequentam.

 

Em outro post, Resultados do ENEM e Mudanças no Ensino Médio , perseguindo a relação entre a inovação na arquitetura escolar e os resultados do ENEM, fizemos uma busca no google/imagens e nos sites dos 10 colégios mais bem classificados no Brasil, tendo como referência o ENEM de 2008. Constatamos que eles não inovam na arquitetura escolar e que provavelmente também não são inovadores na metodologia de ensino que adotam.

 

Usando os mesmos recursos de pesquisa vamos investigar os 10 “melhores” colégios paulistas. Nesta busca, estamos tentendo responder à seguinte pergunta: os colégios paulistas mais bem classificados no ENEM inovam na arquitetura escolar ou na metodologia que adotam,

 

Inicialmente, estudamos os dois primeiros colocados: Vértice e Bandeirantes. Neste post vamos investigar os colégios classificados em terceiro e quarto lugares: O Colégio Móbile e o CEFET/SP, hoje IFSP (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia).

 

Colégio Móbile

Apresentamos abaixo o que de mais significativo encontramos no Colégio Móbile sobre arquitetura escolar e e metodologia de ensino.

 

Externamente, o prédio do Colégio Móbile é  muito bonito. O prédio do Ensino Médio foi projetado pelo arquiteto Paulo Sofhia e premiado na III Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo.

 

O projeto pedagógico é tratado de forma mais extensiva do que o comum dos projetos de escolas particulares. Entretanto, sobre metodologia ele é meio evasivo. O textos citados abaixo, retirados do site do colégio, são os mais representativos que encontramos sobre metodologia e sobre a arquitetura esolar interna.

 

“Crianças e adolescentes se convertem em sujeitos ativos do processo de aprendizagem quando despertados para o prazer e a responsabilidade de aprender. Essa atitude participativa é o ponto de partida indispensável para desenvolver a capacidade de pensar, de discriminar valores, de cooperar, de ter a habilidade de se adaptar às novas exigências do grupo e do meio.”

 

“O conceito básico das salas de aula é o de sala-ambiente. Os alunos – e não os professores – mudam de espaço, conforme o horário de cada série. Isso possibilitará que cada sala tenha a melhor estrutura para o ensino das disciplinas. Da mesma forma, as disciplinas de Química, Física e Biologia têm seus próprios laboratórios, com aproximadamente 100 metros quadrados de área cada um. A sala de Informática com equipamentos modernos, uma sala de artes, um teatro, uma biblioteca multimídia e uma quadra poliesportiva completam os recursos disponíveis para o aluno do Ensino Médio.”

 

As fotos a seguir mostram dois desses ambientes.

 

Observe que este primeiro, na foto ao lado, não está organizado de forma a estimular a referida atitude participativa.

 

 

 

 

 

Uma  segunda foto de uma  dessas salas ambientes mostra um arranjo físico mais compatível com a atitude participativa prevista na proposta pedagógica do Colégio.

Não vimos fotos de salas convencionais ou pelo menos fotos de salas denominadas assim.

 

No entanto, a foto com o professor conversando com o aluno, também extraída do site, mostra um arranjo (em auditório) convencional e deixa uma dúvida. Não seriam todas as salas de aula convencionais organizadas dessa maneira.

 

 

IFSP (unidade da capital)

Ao contrário das escolas privadas, a única escola pública na lista dos dez colégios mais bem classificados no ENEM, em seu site, não dá muita importância às fotos. Assim, não temos foto de sala de aula a mostrar. A pequisa de imagens no Google também não permitiu identificar fotos que fossem de salas de aula da antiga Escola Técnica Federal de São Paulo.

 

Também ao contrário das escolas particulares, o site dedica 15 páginas de texto à proposta pedagógica da instituição de ensino. É a primeira vez que vemos textos claros e detalhados sobre a metodologia de ensino proposta. Como exemplo:

“Assim, o estudante é estimulado, via rotineiras e diversificadas metodologias problematizadoras, mediadas pelo outro e pela cultura, aprende a ser, aprende a conviver, aprende a fazer e aprende a aprender.

Esse paradigma de aprendizagem se ancora também nos pressupostos vygotskyanos, quer por considerar o aprendizado como um processo eminentemente social, quer por ressaltar a influência da cultura e das relações sociais na formação dos processos mentais superiores.

Opondo-se às teorias inatistas e ambientalistas, crê num sujeito histórico interferente e produtivo, onde:
– A consciência nasce da atividade prática e é construída pela interação homem-mundo, mudando de acordo com as mudanças sociais.
– A interação sujeito-objeto é mediada pelo uso de signos.
– A internalização dos signos desenvolve as funções mentais superiores.
– A apropriação do conhecimento se dá por um processo ativo do indivíduo em suas relações de trocas com o meio e o outro.
– A aprendizagem é processo social, caracterizada pelas multi inter-relações entre o sujeito e o meio.
– A linguagem no interior dos grupos é básica por exercer a função mediadora, ampliando as relações sociais e da apreensão da experiência humano- social.”

 

Na ausência de fotos, postamos uma tabela que resume a infra-estrutura do IFSP (unidade da capital):

NFRA-ESTRUTURA FÍSICA – UNIDADE SÃO PAULO
Ambientes Didáticos Quantidade
Salas de Aula Tradicionais 59
Auditório 03
Salas de Projeção 05
Biblioteca Multi-Área 01
Laboratórios de Informática Integrados em Rede Internet 16
Salas de Desenho 07
Laboratórios de Física, Química e Biologia 06
Laboratórios de Geografia e Redação 06
Laboratórios de Construção Civil 08
Laboratórios de Eletrotécnica 07
Laboratórios de Eletrônica e Telecomunicações 07
Laboratórios de Mecânica: 10
Laboratórios de Automação 04
Célula de Manufatura 01
Oficinas de Praticas Profissionais de Eletrônica, Eletrotécnica e Telecomunicações. 03
Oficinas de Produção Mecânica de Tornearia, Frenagem, Retificadora e Maquinas Especiais 04
Oficinas de Produção Mecânica de Soldas Elétricas e Oxiacetileno 02
Laboratórios de Turismo 01
Laboratório de Educação Musical 01
Ateliê de Artes 01
Estúdio de Rádio e TV 01
Pista de Atletismo 01
Campo de Futebol 01
Quadras Poli – Esportivas  

 

Observe-se que a tabela informa a existência de 59 salas tradicionais. Quase apostamos que elas estão, na maior parte do tempo, no formato de auditório. Somadas ao auditório propriamente dito e às 5 salas de projeção temos  um total de 65 salas em formato de auditório. As demais, ao todo 88, certamente não estão organizadas assim.

 

Pela primeira vez encontramos um colégio, dentre os que vão bem no ENEM, que valoriza a metodologia ativa e que tem a maioria das salas de aula organizadas em formatos não-tradicionais.

 

Poderíamos concluir que metodologias e espaços mais modernos de ensino não são incompatíveis com o sucesso no ENEM. Infelizmente nos lembramos a tempo que, nos exames seletivos para o ingresso IFSP, concorrem 50 candidatos por uma vaga. Também nos recordamos que a mensalidade no Ensino Médio do Móbile supera os R$ 1.700,00. Isso repesenta muito mais que o salário médio no Brasil.

 

De fato o ENEM não discrimina nem seleciona. Quanto ele acontece na vida escolar da população estudantil brasileira a seleção já foi feita.

 

O que faz um colégio ser melhor no ENEM? 30 de setembro de 2009

 

 

Em post anterior, discutindo uma tabela publicada Folha de São Paulo em: Melhores colégios tem até 50 candidatos por vaga, concluímos  que os colégios são bem colocados porque selecionam os melhores alunos já no início do Ensino Médio. A seleção se faz por meio de exames de admissão e/ou através da condição sócio-econômica dos candidatos. Os colégios são tão bons quanto os alunos que os frequentam.

 

Em outro post, Resultados do ENEM e Mudanças no Ensino Médio, perseguindo a relação entre a inovação na arquitetura escolar e os resultados do ENEM, fizemos uma busca no google/imagens e nos sites dos 10 colégios melhor classificados no Brasil, tendo como referência o ENEM de 2008. Constatamos que eles não inovam na arquitetura escolar e que provavelmente também não são inovadores na metodologia de ensino que adotam.

 

Usando os mesmos recursos de pesquisa vamos investigar os 10 “melhores” colégios paulistas. Nesta busca, vamos procurar responder à seguinte pergunta: os colégios paulistas melhores classificados no ENEM inovam na arquitetura escolar ou na metodologia que adotam?

 

Inicialmente, vamos estudar os dois primeiros colocados: Vértice e Bandeirantes.

 

  1. VÉRTICE

No site do Vértice e nas imagens disponíveis na Internet, consta-se que o colégio adota o usual arranjo em auditório em suas salas de aula. Não inova na arquitetura, nem nos dispositivos arquitetônicos.

 

 

 O site do colégio não veicula muita informação sobre a metodologia adotada no Ensino Médio. Há uma referência sobre um currículo interdisciplinar e uma clara orientação propedêutica: os alunos são preparados para o vestibular. A ausência de informações, a disposição das salas de aula e a orientação geral levam a supor a adoção de uma metodologia tradicional.

 

 

 

 

2. BANDEIRANTES

 

No site, o Colégio Bandeirantes fala mais de suas intenções. Veja no texto a seguir:

“Com a intenção de facilitar a aquisição de conhecimentos, de exercitar a pesquisa, a habilidade de discriminar informações e, assim, fazer com que o aluno gradativamente conquiste sua autonomia intelectual, o Colégio utiliza variadas estratégias. Discussão contínua sobre a eficácia dos processos pedagógicos adotados, participação de profissionais especializados em diferentes áreas da Educação, constante preocupação com a difusão cultural e emprego de modernos recursos tecnológicos capacitam o nosso aluno não só para uma vivência escolar atuante  e produtiva, mas também ampliam o seu universo de conhecimento e influenciam significativamente na constituição de um cidadão sintonizado com a sociedade atual.”

 

 

É interesante que quando se menciona “variadas estratégias”, que é o que nos interessa aqui, o texto muda de assunto. O que se vê no após não é uma descrição das citadas variadas estratégias. É uma digressão.

 

 

A impressão que sobra, ao final da leitura, é que o Colégio Bandeirantes, tem uma série de atividades circundando o núcleo duro de sua prática cotidiana: a aula expositiva. A figura a seguir mostra o habitual tradicionalismo do arranjo físico.

 

 

 Um texto da “Cultura e Filosofia” (ver site) reafirma a impressão geral:

“Segue a metodologia clássica (centrada no professor e na avaliação por meio de provas), com aulas e atividades diferenciadas (uso de tecnologia, dinâmicas de construção de conhecimento, projetos  de protagonismo juvenil, os quais desenvolvem inúmeras habilidades  além da aquisição do conhecimento).”

 

 

Na nossa busca, os dois primeiros colégios não apresentam inovações na arquitetura escolar ou na metodologia adotada. Nos dois, o centro das preocupações é o preparo para os exames vestibulares. Mesmo assim, são os melhores no ENEM. Uma questão volta a incomodar: a mudança na forma de seleção para a universidade (vestibular X ENEM) produzirá alguma mudança no Ensino Médio brasileiro? Parece que não.

 

Melhores colégios tem até 50 candidatos por vaga 21 de setembro de 2009

 

 

Em post anterior: Resultados do ENEM e Mudanças no Ensino Médio, constatamos que as escolas melhores situadas no ENEM não apresentavam inovações em sua concepção arquitetônica e no arranjo de suas salas de aula.


 

Por indícios recolhidos no levantamento sobre a relação entre arquitetura escolar e resultados do ENEM, levantamos a hipótese de que as melhores do ENEM também não se distinguem pela inovação metodológica. Chegamos a supor que as melhores do ENEM são escolas tradicionais e/ou fortemente orientadas para a transmissão e memorização dos conteúdos curriculares.


 

Prometemos um aprofundamento do estudo de forma a explicar as razões dos melhores resultados. No meio tempo, a Folha de São Paulo publicou uma matéria sobre os colégios de São Paulo que foram os melhores colocados no ENEM de 2008. Usou o seguinte título: Melhores colégios tem até 50 candidatos por vaga.


 

Uma das tabelas publicadas no artigo, chamou-nos a atenção. A tabela relaciona variáveis relacionadas à seleção e os preços cobrados pelos colégios que se classificaram nos primeiros 20 lugares. Reproduzimos a tabela a seguir:


 

image

 

A tabela permite uma conclusão fundamental. Os colégios são bem colocados porque selecionam os melhores alunos já no início do Ensino Médio. A seleção se faz por meio de exames de admissão e/ou através da condição sócio-econômica dos candidatos. Não são os colégios que são os melhores. São os alunos que os frequentam que o são.


 

Em post posterior, voltaremos às questões arquitetônicas e metodológicas. Será uma volta temperada pela constatação de que a metodologia pode ser irrelevante quando se dispõe  de tantas vantagens já no início da corrida. Uma retomada com o molho de uma interrogação: o que faz um colégio ser tão demandado ou poder cobrar mensalidades tão altas?

 

 

Resultados do ENEM e Mudanças no Ensino Médio 16 de setembro de 2009

 

 

Em dois posts anteriores (Resultados do Enem e Arquitetura Escolar  e Resultados do Enem e Arquitetura Escolar II), procuramos verificar se há alguma relação entre inovações na arquitetura escolar, especialmente no espaço e no arranjo da sala de aula, e os resultados do ENEM, versão de 2008.

 

 

Um estudo a partir do sites dos colégios e de um levantamento nos registros fotográficos disponíveis na Internet revelou que os 10 colégios melhores classificados, em função dos resultados de seus alunos, não apresentam mudança significativa no espaço e no arranjo das salas de aula.

 

 

Os sites e as propostas pedagógicas dos colégios nem arranham essa questão e as fotos disponíveis mostram sempre um espaço e um arranjo convencional (salas retangulares, cadeiras dispostas em filas). Mesmo onde o tamanho do espaço físico e o mobiliário permitem outros arranjos, as fotos mostram o indefectível arranjo em auditório. Um ambiente propício para a fala de um e para a audição de muitos.

 

 

A constatação nos leva a crer que as inovações metodológicas também sejam poucas entre as 10 mais, embora sobre tais inovações as propostas pedagógicas dos colégios (quando disponíveis nos sites) falem um pouco mais.

 

 

Mesmo necessitando de mais informações para confirmar a hipótese, ousaríamos afirmar que os colégios mais bem situados na classificação são tradicionais e/ou fortemente centrados na transmissão e memorização dos conteúdos curriculares, com o olho voltado para o bom desempenho de seus alunos nos vestibulares para o ensino superior.

 

 

A afirmação, se verídica, implica em constatar que a mudança da forma de seleção dos alunos para a universidade (Vestibulares X Enem) será inócua em induzir mudanças significativas na atual realidade do Ensino Médio brasileiro.

 

 

Dada a importância da afirmação, voltaremos, em posts posteriores, a abordar o assunto. Nessa volta, vamos investigar as variáveis que determinam o bom desempenho dos colégios melhor colocados no Enem de 2008. A partir daí, tentaremos mostrar que essas variáveis não são influenciadas pelo tipo de exame que se adota na seleção para o ensino superior.

 

 
%d blogueiros gostam disto: