Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

Educadores do Brasil – Paschoal Lemme 1 de dezembro de 2009

O texto a seguir foi extraído do Programa de Estudos e Documentação Educação e Sociedade da Universidade Federal do Rio de Janeiro, arquivo Paschoal Lemme.

Paschoal Lemme, 1978

Paschoal Lemme nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 12 de novembro de 1904 e faleceu na mesma cidade em 14 de janeiro de 1997. Filho de Antônio Lemme e de D. Maria do Nascimento Paes, ambos brasileiros naturalizados. Casou-se em 1927 com D. Carolina de Barros e Vasconcelos, professora normalista, sua companheira por mais de meio século. O casal teve seis filhos.

Paschoal aprendeu a ler e a escrever com a mãe que usava a velha cartilha de Thomaz Galhardo. Fez o primário em escolas públicas do bairro do Méier. Na última delas, depois denominada Escola Profissional Visconde de Cairu, aproximou-se do Diretor, professor Teófilo Moreira da Costa que revolucionou os métodos de ensino e a disciplina. Esse professor exerceu forte influência no espírito de Paschoal, levando-o a optar pela profissão de educador. Em 1919, ingressou na escola normal, diplomando-se em 1923. No ano seguinte, foi nomeado professor adjunto do município, indo trabalhar em escola da zona rural carioca. Simultaneamente, a partir de 1925, após obter os certificados dos exames preparatórios no Colégio Pedro II, foi aprovado no vestibular da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, matriculando-se no Curso de Engenharia Civil que freqüentou até a 3ª série.

Em 1926, ingressou na Associação Brasileira de Educação, fundada em 1924, nas salas dessa Escola, por professores de seu corpo docente como Heitor Lira, Francisco Venâncio Filho, Mário de Britto e Edgar Sussekind de Mendonça, aos quais se ligou, desfrutando de sua convivência. A convite do Professor Teófilo, começou a ensinar Matemática Elementar na Escola Visconde de Cairu. Em junho de 1928, passou a integrar a equipe de Fernando de Azevedo que empreendia grande reforma do ensino no Distrito Federal, no cargo de assistente da Subdiretoria Técnica, dirigida por Jonatas Serrano, acumulando mais tarde com a função de Oficial de Gabinete e assumindo gradativamente responsabilidades maiores. Ao mesmo tempo, lecionava Matemática e era vice-diretor da Escola de Comércio Amaro Cavalcanti.

Fundou em 1931 o Instituto Brasileiro de Educação, visando à experimentação pedagógica e à aplicação de novos métodos de ensino. Participa das atividades da Associação Brasileira de Educação (ABE) integrando seu Conselho Diretor. Foi um dos principais articuladores do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova que seria publicado em 1932, bem como das Conferências Nacionais de Educação promovidas pela ABE, tendo sido relator de várias delas. Ainda em 1931, retorna à Diretoria de Instrução, depois Secretaria de Educação, incorporando-se à equipe de Anísio Teixeira que implementava um programa de grandes transformações educacionais no Distrito Federal. Em 1932, foi efetivado como professor de escolas técnicas secundárias do município do Rio de Janeiro. Lecionou História e Filosofia da Educação na Escola Normal de Niterói e no Instituto de Educação do Rio de Janeiro. Trabalhou como inspetor de ensino de 1933 a 1937.

Assumiu em 27 de janeiro de 1936 a Superintendência de Educação de Adultos do Distrito Federal, permanecendo no cargo até 14 de fevereiro de 1936, menos de um mês, quando foi preso sob a acusação de ministrar curso de orientação marxista para operários da União Trabalhista. Ficou na prisão durante um ano e quatro meses, junto com outros intelectuais, por suas idéias políticas, no ambiente das perseguições após a Intentona Comunista. Em 1938, foi aprovado em concurso para técnico de educação, indo integrar o quadro de profissionais do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, sob a direção de Lourenço Filho, onde chefiou as seções de “Documentação e Intercâmbio” e de “Inquéritos e Pesquisas”. Em 1939 participou dos Cursos “Critical Problem in Secundary Education”, promovido pela Universidade da Pensylvania no Rio de Janeiro e “Public School Administration and Social Interpretate”, na Universidade de Michigan. Esteve também na União Soviética em viagem de observação do sistema educacional.

Cabe ressaltar que, nos idos de 1933 e 1934, Paschoal Lemme já havia feito opção clara pelas teses fundamentais da Filosofia Marxista, sobretudo em seus aspectos humanísticos, contra a exploração do homem pelo homem, tendo sido, a rigor, o primeiro educador marxista brasileiro.

Seu pensamento pedagógico é marcadamente progressista, tendo sido defensor do ensino público universal, gratuito e obrigatório, como responsabilidade básica do Estado. Sua tese central é a de que não existe educação democrática e não ser numa sociedade democrática.

Foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem Nacional de Mérito Educativo (1993) e com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal Fluminense (1995) assim como pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Anúncios
 

7 Responses to “Educadores do Brasil – Paschoal Lemme”

  1. Carolina de Sousa Barbosa Says:

    Adorei sempre que eu quizer fazer uma pesquisa venho neste site

  2. Gostei muito site. Parabéns pela iniciativa.

  3. Gostei muito do site. Parabéns pela iniciativa.

  4. Ana Beatriz Fernandes Moreira Says:

    AMEI ESTE SITE, POIS, CONSEGUI REALIZAR AS PESQUISAS DA FACUL!

  5. flaviano teixeira Says:

    É SEMPRE BOM PODER CONTAR COM SITES CONTENDO INFORMAÇÕES “PRECIOSAS”.

  6. Yasmin Says:

    parabéns pelo site, gostei do conteudo dele.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s