Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

Ensino Médio: MEC quer trocar matérias por áreas temáticas 4 de maio de 2009

 

 

Nude Descending a Starcase - Marcel Duchamp

 

 

 

 

 

 

Em posts anteriores (Ensino Médio, um problema insolúvel?; O Currículo Imutável do Ensino Médio; Ninguém aprende samba no colégio, infelizmente), começamos a discutir a necessidade e as dificuldades de mudanças no Ensino Médio.

 

Em Ensino Médio um Problema Insolúvel? procuramos as causas das dificuldades para mudanças no ensino médio. Chegamos a identificar quatro causas fundamentais: O currículo imutável, o sistema de formação dos professores, a facilidade de operação administrativa do atual currículo e o pensamento pedagógico dominante no Brasil.

 

Dessas causas, até agora tratamos da primeira: o currículo. Em O currículo Imutável do Ensino Médio afirmamos que o currículo enciclopédico e fragmentado em disciplinas (matérias) é uma das causas, ao mesmo tempo, da baixa qualidade do ensino médio e de sua estabilidade perversa.

 

A constatação não é nova. Tentativas de mudanças também não. Parece que mais uma delas encontra-se em curso. Notícia de hoje (4/05/2009), no caderno Cotidiano, do jornal Folha de São Paulo, informa que o MEC e o Conselho Nacional de Educação pretendem mudar o currículo do Ensino Médio. Para facilitar o acesso e o comentário, postamos a seguir o texto completo da reportagem.

 

 

 

“A intenção é eliminar a atual divisão do conteúdo em 12 disciplinas no ensino médio e criar quatro grupos mais amplos. Proposta será discutida hoje pelo Conselho Nacional de Educação; União planeja incentivos financeiros para obter adesão dos Estados.

FÁBIO TAKAHASHI
 
DA REPORTAGEM LOCAL


O Ministério da Educação pretende acabar com a divisão por disciplinas presente no atual currículo do ensino médio, o antigo colegial. A proposta do governo é distribuir o conteúdo das atuais 12 matérias em quatro grupos mais amplos (línguas; matemática; humanas; e exatas e biológicas).

 
Na visão do MEC, hoje o currículo é muito fragmentado e o aluno não vê aplicabilidade no programa ministrado, o que reduz o interesse do jovem pela escola e a qualidade do ensino.


A mudança ocorrerá por meio de incentivo financeiro e técnico do MEC aos Estados (responsáveis pela etapa), pois a União não pode impor o sistema. O Conselho Nacional de Educação aprecia a proposta hoje e amanhã e deve aprová-la em junho (rito obrigatório).


O novo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que deverá substituir o vestibular das universidades federais, será outro indutor, pois também não terá divisão por disciplinas.


Liberdade
Segundo a proposta, as escolas terão liberdade para organizar seus currículos, desde que sigam as diretrizes federais e uma base comum. Poderão decidir a forma de distribuição dos conteúdos das disciplinas nos grupos e também o foco do programa (trabalho, ciência, tecnologia ou cultura).

Assim, espera-se que o ensino seja mais ajustado às necessidades dos estudantes.


O antigo colegial é considerado pelo governo como a etapa mais problemática do sistema educacional. Resultados do Enem mostram que 60% dos alunos do país estudam em escolas abaixo da média nacional.
O governo Lula pretende que já no ano que vem, último ano da gestão, algumas redes adotem o programa, de forma experimental. No médio prazo, espera que esteja no país todo.


“A ideia é não oferecer mais um currículo enciclopédico, com 12 disciplinas, em que os meninos dominam pouco a leitura, o entorno, a vida prática”, disse a secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar.
Está previsto também o aumento da carga horária (de 2.400 horas para 3.000 horas, acréscimo de 25%).


“A mudança é positiva. Hoje, as disciplinas não conversam entre si”, afirmou Mozart Neves, membro do Conselho Nacional de Educação e presidente-executivo do movimento Todos pela Educação.


“A análise de uma folha de árvore, por exemplo, pode envolver conhecimentos de biologia, química e física. O aluno pode ver sentido no que está aprendendo”, disse Neves.


A implementação, no entanto, será complexa, diz o educador. “Precisa reorganizar espaços das escolas e, o que é mais difícil, mudar a cabeça do professor. Eles foram preparados para ensinar em disciplinas. Vai exigir muito treinamento.”


O MEC afirma que neste momento trabalha apenas o desenho conceitual. Não há definição de detalhes da implementação ou dos custos.


O relator do processo no conselho, Francisco Cordão, disse que dará parecer favorável. “Talvez seja preciso alguns ajustes. Mas é uma boa ideia. Hoje o aluno não vê motivo para fazer o ensino médio.”

 

Sofia Kisselov / curriculum

Sofia Kisselov / curriculum

 

A proposta é muito interesante. Concentrar o currículo em áreas temáticas pode facilitar arranjos curriculares mais criativos e integrados.

 

No entanto, nos post já publicados e nos a publicar, defendemos a tese que a imutabilidade do ensino médio é decorrência de um conjunto articulado de quatro causas fundamentais. Tratar apenas uma das causas sem tocar nas demais pode resultar em fracasso, como antes já aconteceu.

 

Além da reação coorporativa dos atuais professores das várias disciplinas, é esperável a reação das universidades. A mudança curricular implicaria necessariamente em mudanças nas atuais licenciaturas em direção à formação de professores mais generalistas. Sem mudanças no sistema de formação de professores a mudança curricular do Ensino Médio poderá ser inócua.

 

É esperável também a reação da burocracia escolar. A operação administrativa de secretarias de educação e escolas será mais complexa com as mudanças no currículo atual. Escolas e sistemas escolares precisariam estar dispostos a abandonar suas práticas tayloristas/fordistas e avançar em direção a modelos administrativos mais modernos. Os burocratas alojados em escolas e sistemas escolares estariam dispostos a embarcar em um processo radical de mudança administrativa? O “incentivo financeiro e técnico do MEC aos Estados” será suficiente para induzir a mudança?

 

 Por fim, resta esperar a reação do pensamento pedagógico dominante. Ele é em grande parte oriundo das universidades, comprometido com o atual sistema de formação de professores. Com argumentos variados e muitas vezes ideológicos (no sentido marxista da palavra), frequentemente disfarçado de vanguarda, ele tem reagido a todas as propostas de mudanças feitas nos últimos 40 anos. Que excertos do pensamento de Marx ou de Gramsci vão ser utilizados como anátema da nova iniciativa?

Anúncios
 

5 Responses to “Ensino Médio: MEC quer trocar matérias por áreas temáticas”

  1. antoniomorales Says:

    Não acho que seja preciso utilizar excertos da obra de Marx ou Gramsci para isso, mas sabemos muito bem que o ensino público, especialmente o do Estado de São Paulo, foi transformado num verdadeiro desastre pedagógico pelos sucessivos governos tucanos. Como vai então assimilar qualitativamente mais essa mudança?

  2. Olá, José, a proposta é interessante. O currículo atual está ultrapassado. Concordo que as resistências serão muitas, mas acho que os ajustes são imprescindíveis para que avançemos enquanto nação. Um abraço

  3. Bernardete Says:

    Oi meu querido amigo, vim agradecer a visita e me deparo com uma matéria que muito me interessa.Amanhã na escola vou imprimi-la e depois volto para comentar
    bjs
    Bernardete

  4. A idéia ao meu ver – de um estudante de pedagogia – é altamente revolucionária e , para tanto, será positiva! No entanto, os patamares – pilares das estruturas educacionais – ainda estão muito arraigadas de TRADICIONALISMO. Como combater tal fator – que ao meu ver já deveria ter se modificado ? Seria ideal socar com força tamanha a causar abrupção ou criar mecanismos que liguem as inovações das estruturas disciplinares transitóriamente? Afinal, há muito tempo se sonha com as perspectivas da abordagem educacional libertadora ou Paulo Freiriana…mas será que estamos preparados, e como implentar, às tais mudanças?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s