Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

Oficina de Comunicação Oral e Escrita 10 de setembro de 2008

 

 

O material apresentado neste post refere-se a uma sessão de aprendizagem da Oficina de Comunicação Oral e Escrita, Eixo I – Competências Básicas para o Trabalho,  dimensão Ser Pessoa,  do  Programa Jovem Aprendiz Rural.  O Programa foi totalmente desenvolvido pela Germinal Consultoria para o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) – Administração Regional do Estado de São Paulo, entre 2004 e 2006.

 

A primeira implementação do Jovem Aprendiz Rural aconteceu em 2006, em cinco cidades do Estado de São Paulo (Batatais, Jundiai, Itapetininga, Botucatu, São Manoel, Santa Fé do Sul e Ribeirão Bonito). Houve a ampliação, em 2007, para mais trinta e oito cidades do Estado, totalizando um atendimento de mil jovens. A partir de 2008, previa-se o atendimento a cerca de 100 cidades no Estado de São Paulo e para mais de 3.000 jovens entre 14 e 17 anos de idade.

 

O material apresentado a seguir foi editado de forma diferente da versão original.  O excerto deve ser encarado como uma amostra do trabalho que pode ser desenvolvido pela Germinal Consultoria.

 

 

Oficina de Comunicação Oral e Escrita

 

Aula 4/5 

 

Competências

 

Situação de Aprendizagem

 

Recursos

 

Tempo

Comunicar-se por escrito e redigir diferentes tipos de documentos (textos, planos, relatórios, formulários, etc.).

 

Localizar, entender e interpretar informações escritas em documentos e outros suportes de textos (manuais e rótulos de produtos, por exemplos).

 

Buscar e localizar informações escritas.

 

Ler e compreender informações escritas.

 

Interpretar corretamente informações escritas.

 

 

1. Recepção e recapitulação

Avaliações do dia anterior

20’

2. A Biografia do Futuro

Cartilha do Aprendiz

100’

 

INTERVALO

15’

3. A comunicação escrita: exigências e formatos

Cartilha do Aprendiz

90’

4. Avaliação do Dia

 

15’

 

         

 

I. Recepção e Recapitulação

Receba os aprendizes, cumprimentando-os pelo nome, como de costume. Aguarde que escolham uma cadeira para sentar, dentre as dispostas em semicírculo, previamente arrumadas e em quantidade idêntica ao do número de participantes. Inicie o dia dando retorno da avaliação do dia anterior, no formato de bilhete para o instrutor.

 

Comente o conteúdo de uma forma geral, sem personalizar suas observações. Comente os formatos de bilhetes que recebeu, aproveitando a oportunidade para informar os formatos mais usuais. Devolva as descrições corrigidas. Comente e esclareça os principais erros, sem personalizar os autores. Faça recomendações.

 

Devolva as descrições com a correção semântica e gramatical: coerência, organização adequada dos parágrafos, utilização adequada dos sinais de pontuação, correção da grafia, acentuação gráfica e flexão/concordância. Faça as recomendações que considerar mais importantes, a partir da sua correção, Principalmente reforce os procedimentos para a autocorreção, com utilização do dicionário e gramática. Lembre o quanto é importante apresentar um texto limpo e correto, especialmente no trabalho.

 

II. A Biografia do Futuro

 

Major Clanger, Sunset behind Astoria-Megler Bridge - Flickr

Major Clanger, Sunset behind Astoria-Megler Bridge - Flickr

Relaxamento e Imaginação ativa

 

Providencie um fundo musical suave e alegre (As Quatro Estações de Vivaldi, por exemplo). Oriente um relaxamento pedindo aos participantes para se posicionarem de forma confortável em seus lugares, fecharem os olhos e se concentrarem na respiração, inspirando e expirando profundamente. Peça para relaxarem pés, pernas tronco, ombros, nuca, face, pálpebras e testa, sempre respirando profundamente.

 

Depois, inicie um processo de imaginação ativa. Informe-os que eles estão com vinte e cinco anos (sempre na terceira pessoa do singular). Peça para se olharem com vinte e cinco. O corpo, a pele (que melhorou muito), os cabelos (que estão com outro visual).

 

Siga falando que faz uma linda manhã e eles estão se preparando para ir ao trabalho. Olham-se no espelho e se dão conta que o tempo passou depressa. Parece que outro dia mesmo estavam terminando o Programa de Aprendizagem Rural.

 

Você se lembra do “Projeto de Vida” que elaborou nessa ocasião? De lá para cá muita coisa mudou na sua vida. E o melhor é que você soube se adequar às circunstâncias, às oportunidades que foram surgindo. Teve muitas surpresas também, nesse período. Algumas ótimas. Sua vida afetiva virou de cabeça para baixo e ficou intensa, rica. É… parece que não tem do que reclamar. Bem, acho melhor você acabar de se arrumar, senão vai se atrasar para o trabalho.

 

Faça uma pequena pausa deixando apenas o som do fundo musical. Depois, devagar, peça para os jovens abrirem os olhos e tomarem contato com o ambiente.

 

 Biografia do futuro

 

Manuela Imar, Biografia de Luiza Neto Jorge,(92X73), óleo s/tela; Lisboa, 1990.

Manuela Imar, Biografia de Luiza Neto Jorge,(92X73), óleo s/tela; Lisboa, 1990.

Aproveitando o aquecimento da atividade anterior, informe que os aprendizes vão elaborar uma biografia do futuro. Distribua folhas de papel em branco. Peça para localizarem a orientação específica no Cartilha do Aprendiz e coloque-se à disposição para esclarecimentos.

 

 

Biografia do Futuro: Trabalho individual

 

Muita coisa já aconteceu na sua vida, desde que terminou o Programa de Aprendizagem Rural. Conte tudo o que aconteceu nesse período.

Escreva sobre sua vida desde o curso até o seu momento atual, com a idade de 25 anos.

Não se esqueça de abordar todos os aspectos da sua existência: profissional, educacional, familiar, afetivo, etc. Utilize a primeira pessoa do singular, escreva frases curtas.

 

Durante a redação, o silêncio deve ser total, com exceção da música de fundo que permanecerá audível até o encerramento da atividade.

 

Catar feijão

Depois de concluírem seus textos, solicite para os aprendizes localizarem, no Cartilha do Aprendiz, a poesia Catar Feijão, de João Cabral de Melo Neto e fazerem uma leitura silenciosa.

 

fuleiragem.typedad.com

fuleiragem.typedad.com

Texto de Apoio 8: Catar feijão

     
      Catar feijão se limita com escrever:
      joga-se os grãos na água do alguidar
      e as palavras na da folha de papel;
      e depois, joga-se fora o que boiar.
      Certo, toda palavra boiará no papel,
      água congelada, por chumbo seu verbo:
      pois para catar feijão, soprar nele,
      e jogar fora o leve e oco, palha e eco.

      Ora, nesse catar feijão, entra um risco:
      o de entre os grãos pesados entre
      um grão qualquer, pedra ou indigesto,
      um grão imastigável, de quebrar dente.
      Certo não, quanto ao catar palavras:
      a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
      obstrui a leitura fluviante, flutual,
      açula a atenção, isca-a com o risco.

 

Melo Neto, João Cabral. Obra Completa, Rio de Janeiro, Editora Nova Aguilar, 1999.
 

 

Extraia com os aprendizes as idéias da poesia, sobre a comparação entre catar feijão e escrever. A busca das palavras mais adequadas, a eliminação do que não encaixou bem, do que não deu um bom tom, o encontro da palavra que desperta o leitor… Fale sobre a importância do trabalho artesanal de construir um texto: o rascunho obrigatório, a leitura crítica – do próprio autor ou de outra pessoa – e as correções para fazer o texto definitivo, a consulta ao dicionário e à gramática.

 

A revisão, ou leitura crítica, feita por olhos estranhos, ajuda a detectar imprecisões e descobrir inúmeras possibilidades de melhorar o texto. Quando a revisão é feita pelo autor, convém aguardar um tempo para conseguir um distanciamento crítico. Isso ajuda a perceber mais os erros e as possibilidades de aprimorar o texto.

 

No trabalho nem sempre é possível ter esse tempo, então é interessante contar com a revisão de um colega.

 

Renoir - Les deux soeurs

Renoir - Les deux soeurs

 

Trabalho em duplas

 

Neste momento, os participantes devem escolher (e é importante que escolham realmente) seus pares, formando duplas, para dar prosseguimento ao trabalho de elaboração da biografia. Peça que eles localizem na Cartilha do Aprendiz a instrução para o trabalho em duplas. Coloque-se à disposição para esclarecimentos.

 

Biografia Futura: revisão compartilhada

 

a) Trocar as redações e fazer uma primeira leitura da biografia do colega silenciosamente, sem comentários ou interrupções.

b) Ler pela segunda vez, fazendo revisão. Assinalar, com um lápis, as partes que não entendeu completamente ou teve dificuldade inicial para entender e tudo o que considerar que precisa ser corrigido: coerência, organização dos parágrafos, sinais de pontuação, correção da grafia, acentuação gráfica e concordância.

c) Conversar sobre a biografia de cada um, uma de cada vez, cada um comunicando ao outro as partes assinaladas e explicando as razões.

d) Destrocar as redações, fazer individualmente a versão final da autobiografia futura.

 

Depois das duplas concluírem seus trabalhos, peça para que todos afixem suas biografias do futuro em lugar visível. Depois, faça a proposta de um pequeno intervalo.

 

 

IV. Comunicação escrita: exigências e formatos

 

 

Oriente os participantes para localizarem na Cartilha do Aprendiz um pequeno texto com o título Exigências do Texto Escrito.

 

 

Exigências do texto escrito

 

 Nunca é demais ressaltar a importância do rigor, da precisão e da objetividade em um texto escrito. Enquanto oralmente podemos nos valer de gestos, de expressões faciais, da entonação e do timbre da voz para transmitir o que sentimos, pensamos e julgamos, na escrita dependemos apenas das palavras.

Daí a necessidade de uma preocupação com a escolha das palavras e com a maneira de organizá-las na frase. Afinal, o destinatário, não estando presente no momento da elaboração da mensagem, não pode pedir esclarecimentos nem manifestar suas dúvidas. Assim não nos é dado escolher novas formas para expressar o que tínhamos em mente, como o faríamos se notássemos na expressão do interlocutor um ar de incompreensão ou de discordância.

 Por isso, não se admite, num texto escrito, ambigüidade, trechos confusos, escolha inadequada do vocabulário, termos desconexos, falta de nexo entre orações e parágrafos, incoerência na exposição de idéias. Afinal, um texto escrito pode ser relido, refeito, repensado, corrigido. E essa vantagem deve ser explorada ao máximo.

 

 Eduardo Martins – O Estado de S. Paulo, 28/11/91, retirado do site http://www.portrasdasletras.com.br

 

 

Girl Writing by Henriette Browne

Girl Writing" by Henriette Browne

 

Depois da leitura, comente cada um dos termos grifados no último parágrafo. Se possível, dê exemplos. Consulte o site indicado na nota.

 

Organize grupos de três ou quatro pessoas para escreverem textos em diferentes gêneros. Distribua entre os grupos as propostas de redação abaixo colocadas, também transcritas na Cartilha do Aprendiz.

 

Coloque-se à disposição de cada grupo para fazer esclarecimentos ou fornecer orientação.

 

 

 

 

1.   Escrever um comunicado a todos os colegas, pedindo colaboração em relação à assiduidade e pontualidade no trabalho com o terreno experimental para que alguns não fiquem sobrecarregados.

2.    Escrever uma carta ao coordenador do SENAR informando os primeiros progressos que os aprendizes já fizeram (ou não fizeram) no terreno experimental, através do projeto articulador: Tornar uma Área Produtiva de Forma Sustentável.

3.   Escrever um plano de trabalho específico a ser desenvolvido no terreno experimental através do projeto articulador.

4.    Escrever um relatório técnico para o instrutor da Oficina de Comunicação Oral e Escrita a respeito do trabalho já realizado no terreno experimental e o que falta ainda realizar.

5.   Escrever uma crônica sobre uma vivência no terreno experimental através do projeto articulador.

6.    Escrever três rótulos para recipientes que guardam produtos químicos. Criar um formulário para registrar todos os produtos químicos a serem utilizados no trabalho agrícola (no projeto articulador), inserindo nomenclatura, composição dos produtos, prazo de validade e disponibilidade de estoque.

7.   Escrever instruções para os procedimentos a serem adotados para a preparação do solo de uma horta.

8.   Escrever um bilhete para o coordenador do projeto articulador justificando a sua ausência em um trabalho coletivo.

 

Depois de concluídas, as redações em diferentes formatos deverão ser recolhidas por você. Você poderá permitir que os grupos que não tiverem conseguido terminar o trabalho o façam até a sessão seguinte, com o compromisso de entregar logo no início da sessão. Neste caso, estimule os aprendizes a buscarem informações para complementarem ou enriquecerem seus textos.

 

IV. Avaliação do Dia

Oriente os participantes para que pensem e falem uma frase que avalie a aprendizagem no dia de hoje.

 

Sobre essa Oficina, leia uma análise, clicando aqui.

 

Anúncios
 

2 Responses to “Oficina de Comunicação Oral e Escrita”

  1. Jaqueline Says:

    .Sou aluna do jovem aprendiz rural e só tenho a dizer que aprendo muito com o curso tanto na teoria quanto na pratica
    Adoro o curso e o geito que eles tratam a todos com conpreenção e carinho acho que é por isso que cada vez mais me entereço pelo curso.
    Obrigada pela atenção.

  2. […] AMOSTRA VI: Oficina de Comunicação Oral e Escrita Gostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar disso.   Comentários (6) […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s